Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

06
Jul12

O amigo comprimido (Saúde mental – 2)

Publicado por Mil Razões...

 

Dizia há dias uma colega enquanto tomávamos café:

- Que sacrifício! Estou com tanto sono que só com muito esforço a cabeça não me cai em cima do teclado. Não sei como vou aguentar até ao final do dia!

- E porque é que tens assim tanto sono?

- Não tomei o comprimido.

- O comprimido?! Observei timidamente receando que a minha ignorância ferisse a suscetibilidade da minha amiga. O artigo antes de “comprimido” define-o, torna-o único, deveria ser óbvio para mim, do que é que ela falava.

- Sim, o comprimido para dormir.

- E porque tomas comprimidos para dormir?

- Porque a minha médica os receitou.

- E desde quando é que a tua médica os receita?

- Desde que comecei a ter insónias e pesadelos, logo a seguir à morte do meu marido. Nessa altura tive muito medo que me acontecesse o mesmo, e temi pelo futuro dos meus filhos. Por outro lado, a tarefa de os educar sozinha não tem sido fácil, eles estão em idades complicadas e muito marcados pela morte do pai. Às vezes rebentam tempestades lá em casa e acalmá-los não é fácil.

- Falaste à médica sobre a morte do teu marido?

- Não foi preciso, ela sabe, por isso é que receitou os comprimidos.

- E não te encaminhou para um psicólogo, sei lá… para um psiquiatra?

- Ela não, mas quando tive aquele ataque de ansiedade aqui no emprego e me levaram ao hospital, o médico que me viu disse que eu deveria consultar um psiquiatra.

- E então?

- Achas que sim?! Achas que tenho dinheiro e que aqui o chefe me dispensava para andar nos psiquiatras? E os colegas não iriam pensar que eu estou mas é maluca? Conto a ti porque somos amigas, mas nem toda a gente vê com bons olhos as visitas ao psiquiatra.

- Então com quem confidências as tuas tristezas, os teus medos, as tuas ansiedades, a tua perda?

- E alguém quer saber dos meus problemas? As pessoas têm os seus próprios problemas e olha que algumas não têm poucos, então agora com esta crise...

- Mas voltando ao teu amigo comprimido, até quando é que a médica receitou o comprimido milagroso?

- Não disse até quando vou tomá-lo; receitou uma caixa e quando ela acaba volto lá e ela passa nova receita, eu até estou a pensar em mudar para os que me deram no hospital, achei-os mais eficazes, estes acho que já não me fazem grande coisa. 

- Isto é: és médica de ti própria.

- Se assim se pode dizer.

 

Li, depois desta conversa, um estudo sobre a saúde mental em Portugal no qual o investigador, concluía que a prevalência dos problemas mentais em Portugal é muito superior à de outros países da Europa. No topo dos problemas estão as perturbações de ansiedade – 16,5%, seguidas das perturbações depressivas – 7,9%, perseguidas pela incapacidade de controlar os impulsos – 3,5%, e as perturbações relacionadas com o álcool – 1,6%.

À minha amiga não lhe diagnosticaram qualquer perturbação mental, assim, não está incluída nestas percentagens. E quantos mais não terão ficado de fora? É caso para dizer que Portugal está doente e não sabe quanto.

 

Cidália Carvalho

 

2 Comentários

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigada pelo seu contributo nesta empreitada de d...

  • Anónimo

    Uma pincelada de amarelo, pelo respeito de quem de...

  • Anónimo

    Mais um texto que mexeu comigo. Maravilhoso. Obrig...

  • Mil Razões...

    As redes sociais não são uma ajuda clínica. Quando...

  • Anónimo

    Tem algum grupo em alguma rede social para acabar ...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde