Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

26
Jun12

A nossa realidade não existe (Vida virtual – 12)

Publicado por Mil Razões...

 

Vamos considerar aqui a realidade como sendo uma construção individual, subjetiva, da imagem de uma coisa ou ato que se transforma numa ideia. Isto é, à imagem do objeto é dada uma interpretação, um sentido.

Nesta lógica, a realidade é virtual, é uma ideia. O passado e o presente vividos não são senão um filme adulterado pelos preconceitos, crenças e valores individuais incutidos. As lembranças são vivências imaginadas e em nadas reais, e no entanto, muito reais para o sujeito que as sente. Vivemos virtualmente num mundo concreto, intangível, uma realidade fenomenológica.

É habitualmente referido que as patologias da personalidade identificam-se através de padrões persistentes e duradouros de comportamento. Sinalizadas por reações inflexíveis a situações pessoais e sociais. Representam desvios extremos ou significativos das perceções, dos pensamentos, das sensações. Os vários tipos de patologias implicam padrões estáveis e que englobam múltiplos domínios do comportamento e do funcionamento psicológico. Habitualmente estão associados a grande sofrimento subjetivo e a comprometimento do desempenho social de forma severa.

Karl Jaspers (1883-1969) refere que o indivíduo psicopatológico não se distingue na sua essência das outras pessoas. Isto é, ontologicamente, não há qualquer diferença entre os sujeitos. Ambos os tipos existem e são produto do mundo e coexistem com a sua consciência individual.

Onde está a linha que separa o normal do patológico? Porque que é que uns têm o direito de condicionar, limitar e redefinir a vida de outros apenas porque não encaixam na sua verdade? Não seremos todos nós psicóticos em vários níveis e estádios. Não confundir com psicopatas, embora muitos dos nossos políticos e gestores de topo apresentem traços de psicopatia.

Claro que toda esta psicopatologia convencional explica-se porque quem avalia “acha” que determinado indivíduo não encaixa nos padrões estabelecidos. Não concorda o leitor comigo que, em última instância, se trata de formas de violência e exclusão?

Refere-se que se verificam desvios significativos da perceção, dos pensamentos e das sensações. E, diria eu, qual é o problema? Temos todo o mesmo nível de perceção? Como sei eu qual é o tipo de perceção que tem o meu amigo?

Por outro lado, estas alterações parecem causar grande sofrimento para o próprio e para os outros. Com certeza! A sociedade não está preparada para aceitar a diferença nessa dimensão e muito menos tem os recursos que possibilite a coexistência entre indivíduos diferentes. Começamos agora a viver numa sociedade multicultural e multirracial. Quando teremos uma que considere todas as dimensões do ser diferente? Precisamos urgentemente de novos modelos de saúde mental.

Assim, finjamos todos que a nossa realidade ainda se encaixa no padrão, e se for difícil e se sentirmo-nos diferentes, então convém fingir ainda mais e mentir com mais afinco porque podemos “acordar” numa ala de psiquiatria. Afinal a nossa realidade não existe, é apenas produto da nossa consciência, é apena virtual.

 

Ana Teixeira


2 Comentários

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Junho 2012

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Teresa Teixeira

    Marta. Esse seu comentário foi tão ao fundo da rev...

  • Aldina

    "Se é forçoso estar oculto, aspira-se a que nos de...

  • marta

    Os lábios da Sabedoria estão fechados, excepto aos...

  • Samuel

    … "não me coube em herança qualquer Deus, nem pont...

  • Cidália Carvalho

    Brutalmente fantástico!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde