Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

11
Mai12

Quero ficar por aqui (desEmprego – 12)

Publicado por Mil Razões...

 

“Estou desempregada. Não é a primeira vez que estou desempregada, mas nunca estive desempregada durante tanto tempo.

O que recebo como subsídio é muito pouco, não chega para pagar as contas do essencial, para sustentar a minha filha. Se não fossem os meus pais, não sei o que seria de nós. Mas atenção: eu não quero viver de subsídios! Quero é ter emprego, trabalhar e ganhar para viver, para vivermos. Por isso procuro emprego sem dar tréguas. Não reconheço grande valor ao facto de ter demasiado tempo para estar com a família e com os amigos e comigo mesma. Ter tempo para viver a minha vida é uma obrigação que devo cumprir todos os dias, não uma oportunidade para os tempos de menor ocupação. O trabalho desenvolve, dá dignidade, valoriza. Para mim, estar desempregada é mau!

Hoje em dia não é fácil procurar emprego, desde logo por rarearem as oportunidades, mas o pior é a forma como o desempregado é tratado quando procura emprego, quando luta pela vida, pela sobrevivência. É uma humilhação permanente, quase total. Desde o centro de emprego, onde é obrigado a ir com frequência e onde desperdiça imenso tempo em longas filas, até à atitude sobranceira, arrogante e despótica, de alguns empregadores ou dos seus agentes. O desempregado é tratado, por alguns, como se tivesse uma doença contagiosa. Curiosa é a natureza humana… Quando mais precisamos, quando a situação de todos nós é mais difícil, recebemos hostilidade dos nossos pares quando têm de nos encarar, reagindo assim, certamente, por medo de um dia estarem no lugar do mais fraco, neste caso, no lugar do desempregado. Rejeitam o outro, o que está onde eles têm medo de vir a estar.

Fico revoltada com aquelas pessoas que, nestes tempos difíceis, em cima da desgraça de tantas pessoas, vêm dizer que, se estou desempregada, a culpa é minha, por não ser pró-ativa nem inventar forma de, através do marketing e da estratégia, provar aos empregadores que o meu produto “eu trabalhador” é muito melhor que o mesmo produto de todos os meus companheiros de sala-de-espera. Peço desculpa, mas a culpa não é minha – eu esforço-me e luto e não dou tréguas, mas não consigo trabalho, só consigo ser humilhada enquanto perco dignidade! Bom emprego arranjaram essas pessoas…

Os nossos governantes recomendam que emigremos. E as pessoas alinham nessa ideia, desinvestem do país, desprezam Portugal, como se tudo fosse fácil lá fora. Eu não quero emigrar e sinto-me no direito de continuar no meu país, de querer viver aqui, de querer trabalhar e produzir para que seja uma terra digna, boa e desejada para viver. Por isso, enquanto não fecharem Portugal, terão de me aturar por aqui.”

 

Fernando Couto

 

2 Comentários

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Maio 2012

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

  • Anónimo

    Oh, minha querida. Nunca saberei a dimensão da tua...

  • Anónimo

    Ana, deve ser tão difícil...a experiência de morte...

  • Paulo Das Neves

    Alucinante e envolvente...muito bom!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde