Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

17
Abr12

Desemprego, um estado de espírito (desEmprego – 5)

Publicado por Mil Razões...

 

Poderemos dizer que estar desempregado é muito mau, mas se pensarmos bem, tem mais vantagens do que desvantagens! Sim, ao escrever isto também me soa a brincadeira... Porém, o que vivo hoje não é brincadeira, mas sim um desemprego que só o é porque recebo o subsídio de desemprego, porque entro nas estatísticas dos milhares de desempregados, porque tenho muitas horas vagas para fazer muita coisa que não seja ir para um emprego com horário pré-estabelecido.

Desde Agosto de 2010 estou desempregada, de facto por opção, mas também porque a vida assim o desenhou. Antes de o ser pensava “Como poderei sobreviver dia a dia sem ter o que fazer, acordar sem objetivos diários como ir para o local de trabalho e desempenhar as funções que alguém espera de mim?”, ou seja, “como ficar acordada se não serei útil para ninguém durante um dia inteiro?” O problema era só esse e não o dinheiro, pois quem trabalha o suficiente para ter direito ao subsídio de desemprego, tem problemas maiores com o desemprego do que meros euros no final do mês, principalmente depois de uma década a trabalhar naquilo que se gosta.

Foram esses problemas que me deixaram a pensar o que seria de mim... Até que me lembrei dos tempos em que procurava o primeiro emprego, quando tudo era um campo novo por explorar, quando a adolescência dava lugar à juventude e o mundo era “meu”. Peguei nesse espírito e imaginei algo que gostaria mesmo de fazer. Era agora ou nunca! E foi!

Sem compromissos com instituições a nível de presença física, apenas com compromissos financeiros e pessoais que podiam ser adaptados, parti para outro país numa missão humanitária. Se não fosse quando estava desempregada, quando poderia ser? Até ir, continuei a fazer a procura mensal de emprego, obrigatória por lei, mesmo sabendo que passado alguns meses iria partir. Como as coisas acontecem quando menos esperamos, foram algumas as respostas positivas à candidatura e, por ironia do destino, tive que recusar, pois uma nova missão esperava por mim.

Fui para África e voltei, recomeçando desde o primeiro dia a procura de emprego, desta vez, mais a sério, sem ser apenas por obrigação legal. Claro está que as respostas positivas escassearam, ou então eram propostas não compensatórias face ao subsídio. A velha história “Mais vale ficar em casa quieta e não gastar do que pagar para trabalhar.” Isto é muito inteligente financeiramente mas não psicologicamente. Qual a solução para fazer face a este conflito, viável financeira, pessoal, profissional e psicologicamente? É aqui que vejo a grande vantagem do desemprego: temos muito tempo para pensar e refletir. Depois de muitos dias a inventar o que fazer, parei e fiquei realmente desempregada.

Finalmente acordei, já com objetivos traçados e, por surpresa, chegaram também as respostas positivas a candidaturas de emprego, tendo até a possibilidade de ser desempregada a part-time. Trabalhar a part-time, no que gosto de fazer e para o qual estudei, e ainda continuar a ser subsidiada como desempregada, na legalidade.

Hoje, já com 1 ano e 8 meses de desemprego, percebo que isso não passa de um rótulo, pois o nosso estado de espírito comanda as nossas ações e se continuarmos a mexer, a pensar, a inventar, a traçar objetivos, estamos sempre com a mente empregue em alguma coisa muito nossa, que não depende de subsídios ou patrões. E, melhor ainda, ao optar pelo não pacifismo, não sei que força é ativada, mas as respostas positivas a candidaturas de emprego e a projetos por nós pensados começam a surgir, e o desemprego deixa de ser a palavra certa para nos caraterizar.

 

Sónia Abrantes (articulista convidada)


2 Comentários

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Abril 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Sandra Pereira E Pinto

    Concordo plenamente com a frase em que diz que tod...

  • Anónimo

    Só quem vive com essas diferenças sabe dar valor e...

  • sandra

    Anotação Não te aproximes demasiadodeixa espaço pa...

  • Mil Razões...

    Quando nos sentimos mal, física ou emocionalmente,...

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde