Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

10
Jan12

Resoluta (Resoluções – 3)

Publicado por Mil Razões...

 

Resoluta! Era assim que todos a viam: uma mulher resoluta, ou resolvida, como costumavam dizer quando se lhe referiam. Maria Francisca não desvalorizava nenhum problema, mas não lhe atribuía mais importância do que a que devia ter. Discernia com tanta facilidade o que era importante, ou desprezível, exibia uma destreza tal a resolver os problemas, que passou a ser adjetivada de “resolvida”.

Em pequena, rapidamente aprendeu a cativar, meio de ajuda à prossecução dos seus objectivos.

Direta e determinada, se queria, tinha; se não queria, de nada valia tentar convencê-la - pura perda de tempo.

Muito jovem ainda, conheceu o Gonçalo, logo aí resolveu que casaria, ele seria o seu marido e o pai dos seus três filhos. Assunto resolvido.

Ensinou os filhos a ter atitude perante os problemas: resolvem-se, se resolúveis, desprezam-se, se não têm resolução. Ilustrava a sua teoria com uma caixa de madeira e pequenos pedaços de papel. Um papel representava um problema. Se digno de atenção, metia-o na caixinha de madeira; se desprezível, deitava-o fora. Na caixinha não deviam acumular demasiados papelinhos, apenas e só os suficientes para desafiarem a capacidade de ação e resolução; demasiados poderiam levá-los a desistir sem os resolverem. O fundo da caixinha deveria manter-se sempre visível.

Os filhos de Maria Francisca viam nela um muro indestrutível que de tudo os protegia.

Os filhos dos filhos, quando procuravam os pais, era com a avó que acabavam a resolver os seus medos, as suas angústias, os seus problemas relacionais da escola, da casa, ou da rua.

- O Manelinho bateu-te? Se o professor não resolve isso vou eu à escola e mostro ao Manelinho com quem se está a meter, sempre quero ver se é menino para voltar a bater-te!

Desta forma, simples, sacrílega aos olhos de hoje, resolvia mais um problema com um dos seus pequenitos.

Tudo resolvia Maria Francisca. Tudo? A morte a resolver a doença do marido foi a sua grande derrota. Não foi tida nem achada, não foi ouvida, não pôde fazer nada. Bem se esforçou mas o resultado foi apenas o de se confrontar, pela primeira vez, com os limites do seu querer e da sua existência. A derrota não era a sua marca; chorou sozinha e em silêncio a morte do seu querido companheiro, mas sem se desviar do seu objetivo: não criar problemas, antes resolvê-los.

Quando anos mais tarde adoeceu e acamou, isso não a impediu de ajudar os filhos a gerir os seus recursos, dando orientações: os títulos na bolsa estão a descer, comprem; os títulos estão a subir, vendam; afundam, parem.

A festa do seu aniversário foi preparada no quarto, para maior comodidade da doente. Depois de aí terem almoçado, Maria Francisca mandou sair toda a gente, queria fazer uma sesta. Encontraram-na morta duas horas depois.

Diziam os familiares que resolveu morrer no seu aniversário para resolver duas datas numa só.

 

Cidália Carvalho

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Janeiro 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Teresa Teixeira

    Marta. Esse seu comentário foi tão ao fundo da rev...

  • Aldina

    "Se é forçoso estar oculto, aspira-se a que nos de...

  • marta

    Os lábios da Sabedoria estão fechados, excepto aos...

  • Samuel

    … "não me coube em herança qualquer Deus, nem pont...

  • Cidália Carvalho

    Brutalmente fantástico!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde