Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

08
Jan10

Pais de hoje (Família – 2)

Publicado por Mil Razões...

 

Quando pensamos nessa instituição a que damos o nome de família, é impossível não pensar nos pais dessa família. Quem são? Qual o papel que desempenham nesse grupo de pessoas? Serão eles apenas os progenitores, aqueles que geraram uma ou mais vidas? Que responsabilidades têm eles sobre esses novos seres?
 
Numa fase muito inicial da evolução perceptiva do bebé, a mãe e o pai tornam possível o desenvolvimento do contacto com as coisas do mundo exterior, possibilitando à criança diferenciar-se como pessoa numa relação que começou por experiências de vivência dual (mãe-bebé). Assim, o bebé tem novas e fantásticas experiências que lhe permitem perceber a existência de coisas e acontecimentos que se encontram fora do seu “eu”.
Os pais são os primeiros cuidadores da criança. Deles é esperada a protecção e o mimo. O incentivo para o primeiro passo, o conforto depois de cada queda…
A função educativa, partilhada com a escola, pertence também aos progenitores. Os pais enfrentam diversas situações que ocorrem no dia-a-dia das crianças e adolescentes, tendo o papel fundamental de lhes introduzir valores como a amizade, a responsabilidade, a generosidade, a tolerância e, muito importante, o respeito pelos outros.
 
Já na idade adulta, é nos nossos pais que muitas vezes encontramos o apoio e inspiração para enfrentar as adversidades do dia-a-dia. Eles funcionam como modelo de alguém que aprendeu muito essencialmente por imitação de comportamentos.
Enfim, os pais são essenciais à formação de cada um como pessoa!
 
Andreia Esteves-Pinto
 

2 Comentários

  • Sem imagem de perfil

    Alexandra Vaz 12.01.2010

    É verdade, Cidália. Também por questões profissionais, conheço infelizmente muitas situações que encaixam ali direitinhas. Vidas difíceis, inimagináveis, tristes. Pessoas a quem a vida parece nunca ter sorrido tal é a carga que transportam dentro de si. Heranças e lotarias que não pediram ou desejaram. Mas precisamente por existirem é que sinto também que não podemos desistir das pessoas e dos valores. Não podemos mudar o mundo mas podemos fazer alguma diferença no nosso pequeno universo. Podemos tentar entender a dimensão humana de todos nós: falível e volátil. E tentar imaginar o quanto sofrerá também alguém que magoa e erra. Há muitos pais assim: sem estrutura ou referências que repetem comportamentos porque não conhecem outros. E sofrem nesse reviver auto-infligido.... Relembrar valores é lembrar-lhes também da sua dimensão humana. É dizer-lhes que se está (quase) sempre a tempo de mudar o dia seguinte. É fazê-los acreditar que podem - podemos todos - sempre ser melhores. Afinal, têm uma das mais prodigiosas missões na vida: criar um filho.
    E já agora, a título de inspiração, era bom lembrar-lhes vezes sem conta que esse filho não faz o que eles dizem. Faz o que eles fazem. Esse e todos os outros.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

    Porto | PORTUGAL

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Equipa

    > Alexandra Vaz

    > Ana Bessa Martins

    > Cidália Carvalho

    > Ermelinda Macedo

    > Fernando Couto

    > Jorge Saraiva

    > José Azevedo

    > Leticia Silva

    > Maria João Enes

    > Miriam Pacheco

    > Rui Duarte

    > Sandra Pinto

    > Sara Silva

    > Sónia Abrantes

    > Teresa Teixeira

    Calendário

    Janeiro 2010

    D S T Q Q S S
    12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31

    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D

    Comentários recentes

    • Jorge Saraiva

      Muito bom!O dito e o que fica entre as linhas

    • Anónimo

      a "velhice", nao é mais do que juventude acumulada...

    • Alexandra Vaz

      Obrigada eu, pela partilha. Forte abraço.

    • Anónimo

      Obrigada pelo seu contributo nesta empreitada de d...

    • Anónimo

      Uma pincelada de amarelo, pelo respeito de quem de...

    Ligações

    Candidatos a Articulistas

    Amigos do Mil Razões...

    Apoio emocional

    Promoção da saúde