Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

29
Set09

Do nascer, ao morrer (Incapacidades - 1)

Publicado por Mil Razões...

 

 
O Homem nasce altamente incapacitado. É talvez o único ser que, à nascença, precisa que lhe satisfaçam as necessidades básicas para a sua sobrevivência. As potencialidades estão lá em cada um, fazem parte integrante do ser mas é necessário tempo para as desenvolver.
Diz o povo que, ao 1 andante e ao 2 falante, o que significa que precisamos pelo menos de um ano de observação para desenvolver a capacidade de andar, imitando os que assim se deslocam. Com meses de vida impõe-se alterar os hábitos alimentares e passar a mastigar; a natureza já fez o seu trabalho - já nos dotou de dentição. Os ossos ressentem-se e queixam-se da força do crescimento.
Testemunhamos estas alterações sem preocupação, fazem parte do processo natural de desenvolvimento.
 
Ao longo da vida vamos enfrentando obstáculos e adversidades e vamos desenvolvendo capacidades para seguir em frente. Mas por vezes surgem incapacidades: incapacidade de confiar, de dar, de escutar, de falar ou de estar calado. Mas ainda assim, continuamos o nosso percurso.
De repente, quase sem dar por isso, descobrimos o primeiro cabelo branco, arrancamos o primeiro dente (definitivo), temos as primeiras dores nos ossos, agora não pela força do crescimento, perdemos agilidade, marcamos encontro com o envelhecimento. Iniciamos nova fase do nosso percurso e, de incapacidade em incapacidade, lá continuamos com a capacidade que temos de nos adaptarmos. Também aqui estamos dentro de um processo natural de desenvolvimento.
 
Mas bem diferente é quando a incapacidade é adquirida ou resulta de uma doença, interrompendo o processo natural de desenvolvimento. Quem sofreu um acidente incapacitante vê, abruptamente, alterada a sua forma de vida e a sua rede de relacionamentos. Ele próprio, o acidentado, fragiliza-se ainda mais retirando a si mesmo um sentimento de confiança. Numa sociedade em que existe o culto do corpo perfeito, uma amputação é factor complexizante, não deixando ao indivíduo mais que duas alternativas: empreender uma luta para se adaptar e continuar a viver, ainda que de forma diferente, ou morrer.
 
O instinto de sobrevivência actua no sentido de desenvolvermos capacidades básicas, mas quanto do nosso potencial estará por descobrir só porque simplesmente nunca precisamos de testar as nossas reais capacidades?
 
Cidália Carvalho
 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Setembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

  • Anónimo

    Oh, minha querida. Nunca saberei a dimensão da tua...

  • Anónimo

    Ana, deve ser tão difícil...a experiência de morte...

  • Paulo Das Neves

    Alucinante e envolvente...muito bom!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde