Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

21
Set09

Da vergonha à humilhação (Sentimentos e Emoções – 20)

Publicado por Mil Razões...

 

 

- Tinha 14 anos, veio-me o período num dia em que eu vestia umas calças brancas. Pois eu andei a passear naquela figurinha pelos pavilhões da escola! LM
 
- Eu estava na universidade, os meus colegas acederam ao meu computador e estiveram a ver fotos minhas de foro privado; não satisfeitos espalharam-nas e a faculdade inteira pode ver… AA
 
- Era eu já moça graúda quando levei uma chapada, da minha mãe, em praça pública e fiquei sem saber onde havia de meter-me! VA
 
- No meu local de trabalho não entendi o que me pediram e, à frente de todos, mostraram-me como se fazia, mas de uma forma ridícula, tratando-me como uma débil mental. O pior foi a falta de educação e os modos com que falaram e berraram. JA
 
- Dei a minha palavra a um colaborador em como ele iria ser promovido e, consequentemente, transferido. Entretanto o administrador da empresa mudou de ideias, sem razão aparente, e eu tive de transmitir as novas decisões. RP
 
- Fui apanhada num autocarro com um bilhete que não dava para o percurso que estava a fazer, sem ter consciência disso, e fui posta na rua enquanto todos olhavam para mim. SC
 
- Casadinha de fresco, convidei os meus pais e padrinhos para irem a minha casa. A minha gata num acesso de fúria rasgou as minhas cortinas novas. Após um longo e demorado esforço para esconder as cortinas e o seu rasgão, o meu pai descobriu-as e, sem qualquer pudor, certificou-se de que todos ficassem a saber o meu “segredo”. LM
 
A quantas mais pessoas perguntarmos, mais e diferentes respostas se obterão, tendo em comum a fronteira quase imperceptível entre a vergonha e a humilhação.
A vergonha e a humilhação são amantes que se complementam de tal forma que nem sempre conseguimos fazer a distinção. O encaixe é perfeito, a sintonia entre ambas é duma cumplicidade tal que se torna complicado sabermos quando sentimos uma ou vivenciamos a outra.
Poderemos dizer que a humilhação é a vergonha multiplicada várias vezes?
O facto de ser vista com as calças manchadas será mais uma vergonha de adolescente, ou a humilhação de saber que se ficou exposta à troça dos outros?
Mexer na nossa privacidade será uma humilhação, ou apenas a vergonha de todos ficaram a saber aquilo que cuidadosamente se escondeu durante anos?
O facto de a nossa independência ser posta em causa, de nos fazerem sentir ainda uma criança dependente e com laços parentais marcados, será uma forma de humilhação, ou vergonha?
Sermos expostos, descobertos, mexerem na nossa privacidade, colocarem a nossa palavra em causa, duvidarem da nossa honestidade, situações que nos levam a sentir como “bicho” sob a lente de um microscópio em que todos poderão ver, observar, concluir, tecer opiniões, fazer julgamentos, é sinónimo de humilhação?
A humilhação sente-se como se fossemos trespassados por uma fria e metálica espada, que rasga impiedosamente a nossa sensibilidade, ficando muitas vezes moribundos e sem qualquer capacidade de resposta. À pressa tentamos esconder a cara, os sentimentos e os pensamentos. Temos necessidade de resguardo, não queremos ver ninguém e muito menos ser vistos.
Rezamos para que rapidamente se esqueça aquele episódio em que fomos invadidos por um sentimento que nos torna frágeis e deixa profundas e permanentes feridas.
Rebaixarmo-nos perante as maldades, vontades, desejos e desígnios dos outros ou pura e simplesmente estar exposto à crítica, à troça, ao gozo dos outros, faz com que a humilhação seja um dos sentimentos mais complicados, mais difíceis de gerir e de digerir.
 
Susana Cabral
 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde