Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

21
Set09

Da vergonha à humilhação (Sentimentos e Emoções – 20)

Publicado por Mil Razões...

 

 

- Tinha 14 anos, veio-me o período num dia em que eu vestia umas calças brancas. Pois eu andei a passear naquela figurinha pelos pavilhões da escola! LM
 
- Eu estava na universidade, os meus colegas acederam ao meu computador e estiveram a ver fotos minhas de foro privado; não satisfeitos espalharam-nas e a faculdade inteira pode ver… AA
 
- Era eu já moça graúda quando levei uma chapada, da minha mãe, em praça pública e fiquei sem saber onde havia de meter-me! VA
 
- No meu local de trabalho não entendi o que me pediram e, à frente de todos, mostraram-me como se fazia, mas de uma forma ridícula, tratando-me como uma débil mental. O pior foi a falta de educação e os modos com que falaram e berraram. JA
 
- Dei a minha palavra a um colaborador em como ele iria ser promovido e, consequentemente, transferido. Entretanto o administrador da empresa mudou de ideias, sem razão aparente, e eu tive de transmitir as novas decisões. RP
 
- Fui apanhada num autocarro com um bilhete que não dava para o percurso que estava a fazer, sem ter consciência disso, e fui posta na rua enquanto todos olhavam para mim. SC
 
- Casadinha de fresco, convidei os meus pais e padrinhos para irem a minha casa. A minha gata num acesso de fúria rasgou as minhas cortinas novas. Após um longo e demorado esforço para esconder as cortinas e o seu rasgão, o meu pai descobriu-as e, sem qualquer pudor, certificou-se de que todos ficassem a saber o meu “segredo”. LM
 
A quantas mais pessoas perguntarmos, mais e diferentes respostas se obterão, tendo em comum a fronteira quase imperceptível entre a vergonha e a humilhação.
A vergonha e a humilhação são amantes que se complementam de tal forma que nem sempre conseguimos fazer a distinção. O encaixe é perfeito, a sintonia entre ambas é duma cumplicidade tal que se torna complicado sabermos quando sentimos uma ou vivenciamos a outra.
Poderemos dizer que a humilhação é a vergonha multiplicada várias vezes?
O facto de ser vista com as calças manchadas será mais uma vergonha de adolescente, ou a humilhação de saber que se ficou exposta à troça dos outros?
Mexer na nossa privacidade será uma humilhação, ou apenas a vergonha de todos ficaram a saber aquilo que cuidadosamente se escondeu durante anos?
O facto de a nossa independência ser posta em causa, de nos fazerem sentir ainda uma criança dependente e com laços parentais marcados, será uma forma de humilhação, ou vergonha?
Sermos expostos, descobertos, mexerem na nossa privacidade, colocarem a nossa palavra em causa, duvidarem da nossa honestidade, situações que nos levam a sentir como “bicho” sob a lente de um microscópio em que todos poderão ver, observar, concluir, tecer opiniões, fazer julgamentos, é sinónimo de humilhação?
A humilhação sente-se como se fossemos trespassados por uma fria e metálica espada, que rasga impiedosamente a nossa sensibilidade, ficando muitas vezes moribundos e sem qualquer capacidade de resposta. À pressa tentamos esconder a cara, os sentimentos e os pensamentos. Temos necessidade de resguardo, não queremos ver ninguém e muito menos ser vistos.
Rezamos para que rapidamente se esqueça aquele episódio em que fomos invadidos por um sentimento que nos torna frágeis e deixa profundas e permanentes feridas.
Rebaixarmo-nos perante as maldades, vontades, desejos e desígnios dos outros ou pura e simplesmente estar exposto à crítica, à troça, ao gozo dos outros, faz com que a humilhação seja um dos sentimentos mais complicados, mais difíceis de gerir e de digerir.
 
Susana Cabral
 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde