Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

05
Jul17

O sofrimento (Pesadelo – 2)

Publicado por Mil Razões...

Girl-AdinaVoicu.jpg

Foto: Girl – Adina Voicu

 

Quando me sinto impotente perante o sofrimento dos outros pareço pequenina. Penso, dou voltas à cabeça, peço ajuda e o sentimento de pequenez continua presente.

É-nos dito, frequentemente, que o sofrimento nos modifica, nos faz ver as coisas que nos acontecem posteriormente com a relatividade que elas merecem. Que me faz sentir impotente, faz; se me proporciona alterações internas, talvez, para o bem e para o mal; se me ajuda a ver as coisas com a relatividade que elas merecem, não sei… talvez só com algumas pessoas.

O sofrimento, no sentido lato do termo, aprisiona-me, seja ele dirigido a mim, como pessoa, seja ele dirigido aos outros e, particularmente, aos que me são mais próximos. Talvez eu já tenha passado por situações em que o sofrimento me revoltou, me fez crescer, me fez ver as coisas com mais relatividade; não sei. Sei que me lembro profundamente de todas as situações que me provocaram sofrimento e não gosto das recordações. As recordações trazem-me sentimento de angústia. Prefiro não lembrar. Mas para algumas situações a lembrança é inevitável. Ver sofrer aquela pessoa que me é muito próxima, cujo amor que se sente é único e diferente de todos os amores que sinto por outras pessoas e, quando não posso fazer nada, porque não está nas minhas mãos ajudar a alivia-lo, é um pesadelo!

Eu arrisco dizer que é assim com todos nós.

 

Ermelinda Macedo

 

03
Jul17

Um novo acordar (Pesadelo – 1)

Publicado por Mil Razões...

Man-OlichelAdamovich.jpg

Foto: Man – Olichel Adamovich

 

Às vezes a realidade encaminha-nos por travessias planas sem que possamos adivinhar as curvas sinuosas que se seguem. E ele certamente não previu as suas. Por isso, ali estava. Questionando-se sobre as causas e os porquês, os indícios e os “quando”, as consequências e os “como”. E nesse tempo dedicado ao pensamento, cogitou sobre o pouco tempo que tinha, um tempo que não podia ser passado a pensar. Por uma vez, na sua existência precisava de transpor o seu eu para a ação e pôr o seu espírito em movimento.

Vivera encerrado na sua mente turbulenta durante anos, sem nunca deixar de ser controlado pela depreciativa racionalidade que guiava todos os seus passos, sem se expor à natural impulsividade que deveria conferir cor aos seus dias. Assim, libertou-se das amarras e foi em busca dos seus mais íntimos desejos.

Mas já não restava mais nada. Nem ninguém. Todos os caminhos que partiam de si se enchiam de vazio; todos aqueles de quem gostava tinham partido e tudo o que sempre sonhara fazer, já não era possível.

Uma vez mais, ali estava, sozinho. Perdera tudo. As chances, os momentos, os dias, as pessoas, as alegrias, a partilha, a coragem, a loucura, a adrenalina, e sobretudo a felicidade. E não havia mais nada que pudesse fazer.

Quando os grãos de areia se reuniram na parte inferior da ampulheta da vida, olhou para trás e viu todo um caminho de desastres e feridos, um caos completo sem realização alguma. Então, pela primeira vez, agiu efetivamente de impulso, acabando com tudo aquilo…

… Até acordar subitamente.

 

Estava aterrorizado com a ideia de que pudesse fazer algo assim, de que a sua vida se tivesse resumido a um desespero, de que tivesse chegado àquele ponto.

Tinha sido um pesadelo. Um pesadelo real, concreto. Sabia que sim. Mas na ampulheta da sua vida os grãos ainda corriam, e afinal, ainda tinha tempo para agarrar a felicidade.

 

Sara Silva

 

Pág. 2/2

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Julho 2017

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Sandra Pereira E Pinto

    Concordo plenamente com a frase em que diz que tod...

  • Anónimo

    Só quem vive com essas diferenças sabe dar valor e...

  • sandra

    Anotação Não te aproximes demasiadodeixa espaço pa...

  • Mil Razões...

    Quando nos sentimos mal, física ou emocionalmente,...

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde