Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

20
Fev17

As cores da moda nas encostas (Grito – 2)

Publicado por Mil Razões...

Mount-olympus-Unsplash.jpg

Foto: Mount-olympus - Unsplash

 

Conta-me, quem assistiu, que o meu primeiro ato de independência, o de respirar, foi assinalado com choro e gritos. Não há aniversário meu sem que a minha mãe e a minha tia não recordem os gritos que arrebataram à calmaria aquela noite fria de janeiro. É redundante dizer que não me lembro, mas não há razão para não acreditar que tudo se terá passado conforme contam. Afinal, ainda que com pequenas variantes, não é assim que todos enfrentamos o mundo, gritando para que nos recebam, reclamando atenção e o direito à vida?

Mas, passado o momento violento da chegada, devo ter confiado rapidamente nos adultos que de mim cuidaram, porque também contam que não fui uma “má bebé” e fui uma criança sossegada.

 

Gritei, e disso já tenho memória, nos intervalos das aulas.

Ao sinal dos professores corríamos para o recreio atropelando-nos uns aos outros e, sem mais demora que o tempo era pouco para a brincadeira, escolhíamos as colegas que queríamos connosco ou contra nós a saltar à corda ou ao jogo das pedrinhas. No extremo do recreio os rapazes organizavam-se e num esfregar de olho lá estavam em grande gritaria a disputar uma partida de futebol. A pacata aldeia ganhava vida com os gritos e as brincadeiras das crianças que apenas as chuvas e os temporais de inverno interrompiam. Na invernia, as encostas dos montes viradas a norte despiam-se para os ventos, ou pelos ventos, e pareciam adormecer. Eu acreditava que descansavam para recuperar forças e exibirem, lá pela primavera, novas searas e novos frutos. Não havia vez que passasse pelo alpendre da casa que não olhasse para essa exibida nudez, tentando vislumbrar o verde, o lilás ou outra qualquer das muitas cores que haveriam de animar novamente o monte e as ruas da aldeia com os gritos da criançada.

Não se distraíam as encostas e, sem atrasos, cumpriam o ciclo. Vestiam-se de verde-claro quando as chuvas medravam as sementes e as obrigavam a rasgar a terra e a mostrarem-se. A semente esvaía-se para dar lugar às plantas que cresciam, e, grávidas de novas sementes trocavam de roupagem e passavam a usar o verde mais carregado. As searas voltavam a ter a minha atenção quando, de amarelo vestidas, ondulavam e sussurravam com a brisa, e aproximava-se junho, época de exames na escola. Mas nem por isso cessavam as correrias e brincadeiras no largo da aldeia.

Do outro lado da rua, por detrás das janelas, as silhuetas da minha mãe e da minha tia movimentavam-se livres e apressadas. Reconhecia as sombras dos meus avós para lá das cortinas por terem movimentos lentos e torpes. Confortava-me esta visão tanto como os gritos de alegria a fingir surpresa por ter sido agarrada no jogo da cabra cega, ou de contentamento por ter ganho o jogo da macaca.

 

Levaram-me um dia à cidade para lá dos montes que rodeavam a aldeia. Subi-os até ao cume e espantei-me por ver que afinal o céu não pousava neles como parecia acontecer a quem olhasse do sopé. Do cimo abriam-se horizontes. Para lá dos meus montes havia outros e muitos, e gentes e outras aldeias e outras escolas e outras crianças a brincar e a gritar nos recreios. Caminhámos durante horas e o mundo pareceu-me imenso. A grandeza da cidade, a pressa das pessoas e o movimento dos automóveis, sufocavam-me e, só por timidez não gritei, sufoquei o meu medo.

Transpus os montes com frequência e um dia não regressei à aldeia.   

Tive sempre esta visão romântica da infância e, muitos anos depois, resolvi satisfazer o desejo de regresso. As pedras envelheceram e as casas tinham mingado, as ruas estavam desertas, a escola estava por terra e o recreio era um campo de ervas tristes, dobradas para a terra, envergonhadas por tamanha falta de beleza. As encostas a norte transformaram-se num matagal desorganizado e sem graça. E, por detrás das cortinas que o tempo escureceu, não se viam as silhuetas da minha mãe nem de qualquer outro ente querido. Partiram. Passaram os montes e não regressaram.

Subi de novo aos montes e o eco no silêncio aumentou o meu grito de solidão.

E, neste texto deixo um grito de saudade.

 

Cidália Carvalho

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Jorge Saraiva

    Muito bom!O dito e o que fica entre as linhas

  • Anónimo

    a "velhice", nao é mais do que juventude acumulada...

  • Alexandra Vaz

    Obrigada eu, pela partilha. Forte abraço.

  • Anónimo

    Obrigada pelo seu contributo nesta empreitada de d...

  • Anónimo

    Uma pincelada de amarelo, pelo respeito de quem de...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde