Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

21
Dez16

A esperança e a positividade (Esperança – 16)

Publicado por Mil Razões...

Fractal-EnriqueMeseguer.jpg

Foto: Fractal - Enrique Meseguer

 

A esperança é um desígnio referente a um estado ou evento positivo dentre vários cenários possíveis de uma atividade, sustentada pela fé depositada em Deus, no propósito altruísta que orienta a longo prazo, na equipe e/ou rede de parceiros associados ao projeto, na capacidade criativa e críticas, no valor do próprio produto, nos impactos sociais e ambientais do projeto, nas sinergias que podem ser geradas com a sua implementação, no estágio de evolução e maturação da envolvente que se pertence, enfim, na energia que é gerada pela combinação destes diferentes stakeholders e desideratos.

Como o Wikipedia refere, justamente para condizer com o postulado anterior, corrente elétrica “é o fluxo ordenado de partículas portadoras de carga elétrica, ou também, é o deslocamento de cargas dentro de um condutor quando existe uma diferença de potencial elétrico entre as extremidades. Tal deslocamento procura restabelecer o equilíbrio desfeito pela ação de um campo elétrico ou outros meios como reação química, luz, atrito, etc.”.

A compreensão desta lógica sugere uma gestão cuidadosa do esforço físico e mental, e em último da saúde, admitindo que não se pode e nem é necessário saber tudo. Deve-se, sobretudo, concentrar no core para perceber o processo e permitir que os outros se encarreguem de executar as suas especialidades, e posteriormente a coordenação encarregar-se-á de juntar as pontas.

 

O propósito, como prolongamento e interpretação da fé que reside no seu interior, é a maior fonte de poder, sendo uma dádiva do Todo Poderoso precisa ser protegido, tratado, cuidado e acarinhado para que o compromisso seja renovado, e continue a merecer a confiança. Diria que é um bem económico, sujeito a desgaste dependendo da forma e o respeito que formos a utilizar, pois, acima de tudo não se pode perder a humildade e empatia com o próximo e nem passar de vítima a agressor contra qualquer espécie ou a natureza em si. As boas práticas sugerem que, decorrente de um uso responsável e sustentável, permite-se defender dos agressores somente em casos extremos ou então para impedir que os mais fragilizados sejam vitimados, evitando assim holocausto ou canibalismo a olho nu.

 

A esperança é assim positividade, diferentemente do pessimismo, augura sempre um melhor resultado da confiança que depositamos nas nossas ações, na expetativa que sejam capitalizadas e geradoras de rendimentos que compensem o risco outrora assumido.

Para Augusto Comte, filósofo a quem se atribui a autoria do termo positivismo e um dos principais percursores dessa doutrina, a busca pelo conhecimento positivo constitui a principal forma de construção do conhecimento, por via da observação e registo dos fenómenos em seu contexto físico, palpável, ao alcance dos nossos sentidos e submetidos a experiência.

Esperança é, em última análise, uma questão de gestão de risco, que segundo modelos cientificamente comprovados, o risco específico ou diversificável pode ser reduzido com a constituição de uma carteira com ativos distintos representativos de indústrias sujeitas a sazonalidades e ciclos operacionais distintos.

 

António Sendi

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde