Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

19
Set16

O jogo que todos jogamos (Jogo – 14)

Publicado por Mil Razões...

Argument-RyanMcGuire.jpg

Foto: Argument – Ryan McGuire

 

Segundo a tradição oriental, a garganta representa o Centro da Verdade e quem fala sempre a verdade acaba por desenvolver a capacidade de materializar aquilo que diz.

Porém, por medo, a maior parte de nós não é verdadeiro. Por alguma razão, geralmente é o MEDO, entramos num jogo deveras interessante para os psicólogos e sociólogos e outros que tais, mas profundamente doentio para o self. O jogo de que falo é o Jogo da Manipulação. As regras parecem simples e a piada do jogo é que os trunfos de que dispomos têm que ser jogados com subtileza. No fundo todos sabemos que é um jogo, quais são os trunfos e esquemas de cada um, mas fazer de conta que não sabemos e que não jogamos torna tudo mais grupal. Então eis as regras:

. Criticar: esta parte do jogo é a que consiste em desfazer os outros em mil pedaços. Falar mal, acusar, manipular parece a técnica perfeita para quem se sente inferior aos outros. Parece resultar porque enquanto desviamos a atenção de todas as outras pessoas para aquele que estamos a criticar, ninguém repara nos nossos defeitos. O facto de aqueles que acusamos serem o espelho dos nossos problemas não interessa para nada. O que interessa é jogar o jogo e quanto mais perfeito se é.

. Mentir: é muito mais fácil gostar de nós segundo aquilo que desejamos e esconder dos outros o que não é interessante. É como um pequeno teatro no qual somos simultaneamente realizadores, atores, assistentes de produção, etc.. Cansativo, mas vale a pena. Se os outros acharem que somos perfeitos, então é porque somos. Ah, e se não estiver a resultar totalmente, podemos sempre usar outra estratégia do jogo – culpar o outro. Pode ser a mãe, o pai, a professora primária, o vizinho. Qualquer um, desde que não tenhamos que ser os responsáveis pelas nossas escolhas.

. Discutir: esta regra é bastante usada. Parece estar entre as favoritas do Jogo. Consiste em espalhar aos quatro ventos o nosso humor cáustico. E, de preferência, aproveitar todas as oportunidades para atacar uma pessoa ou situação. Lá porque se perde imensa energia e tempo com este procedimento, não interessa. O importante é que discutir é uma razão para a pessoa se sentir viva e disfarça muito bem o quanto estamos zangados connosco. Portanto vale ou não o esforço?

. Amuar: é uma regra que é prima da agressividade. A diferença é que é uma agressividade disfarçada, perfeita para quem quer ser perfeito! Afinal é muito mais fácil ficar à espera que alguém adivinhe o que nos perturba. E se ninguém adivinhar, o que é incrível, depois de todos os sinais que achamos que deixamos, então isolámo-nos, calamo-nos, a ver se resulta. Sabotar a necessidade de intimidade é altamente eficaz no jogo da manipulação. Que o digam as crianças.

 

Estas são as principais Regras do Jogo.

E que atire a primeira pedra aquele que nunca o jogou. Pois, o problema é que é um Jogo Doente.

Por hoje, só por Hoje, esteja atento a si mesmo. Sinta-se. E pare cada vez que sentir que vai Jogar. Se quer um Jogo mais interessante, eu falo de outro. Até tem menos regras. Tem só uma regra, apesar de ser a mais difícil. Aqui vai:

. SEJA VERDADEIRO CONSIGO!

 

Sara Almeida

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Jorge Saraiva

    Muito bom!O dito e o que fica entre as linhas

  • Anónimo

    a "velhice", nao é mais do que juventude acumulada...

  • Alexandra Vaz

    Obrigada eu, pela partilha. Forte abraço.

  • Anónimo

    Obrigada pelo seu contributo nesta empreitada de d...

  • Anónimo

    Uma pincelada de amarelo, pelo respeito de quem de...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde