Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

31
Ago16

A roleta russa (Jogo – 7)

Publicado por Mil Razões...

Poker-JeffJuit.jpg

Foto: Poker - Jeff Juit

 

A roleta russa, diz-se que é um jogo. Nesse jogo os participantes colocam apenas uma bala no tambor do revólver e de seguida giram o mesmo, depois apontam para a cabeça e apertam o gatilho da arma. Como está bom de ver, o objetivo do jogo é passar pela adrenalina do risco, mas conseguir ter a sorte de não ser atingido pela bala. Jogar consiste pois em arriscar, neste caso ao limite.

Podemos pensar e decidir que não, que não queremos participar em jogos desses. Que jogos aceitáveis para nós são tipo o Monopólio (que por acaso com os meus primos às vezes acabava com a miudagem a atirar “projéteis” uns aos outros, mas isso é outra história), ou o Scrabble, ou coisa do género. Jogos lúdicos, pacíficos por regra, inócuos. E pronto, estamos assentes no que a esta questão diz respeito. Jogar é conviver, divertir-se, passar um bom bocado.

 

Mas depois vêm os dicionários e afirmam que o jogo também é um comportamento, uma maneira de atuar; que pode ser troça, escárnio, manha, maneira de enganar. Esconder o jogo é dissimular. Pôr as cartas na mesa é ser honesto.

O jogo afinal pode ser muitas coisas… e algumas tão pérfidas como a roleta russa, e por vezes ainda piores.

No jogo assumimos sempre que quem joga está ali voluntária e conscientemente. Que seja qual for o nível potencial de risco ou de recompensa, trata-se de uma decisão dos intervenientes. Muitas fortunas se perderam ao jogo, muitas famílias se desmembram por causa dele. Mas são riscos e decisões. E afinal, de repente, o jogo já não é assim tão inofensivo, pois não?

E pode ser ainda mais perverso. Há quem nos meta nos seus jogos e o faça sem sequer nos informar ou nos ter em conta, nem que isso faça a nossa vida desmoronar qual castelo de cartas (trocadilho intencional). Há quem, na busca do seu prazer e apenas dele, nos inclua em jogos que recusamos totalmente.

Conduzir um veículo todo estiloso, daqueles para impressionar os amigos, a 200 km à hora, é jogar à roleta russa com todos os seres vivos que se atravessarem no caminho. Nem sequer é só irresponsabilidade, é ter alma de assassino e total desrespeito pela Vida.

Pegar fogo a uma floresta, idealmente numa ilha extremamente povoada e ficar a apreciar o espetáculo, não é só uma doença. É ter uma alma negra, muito negra, da cor das nuvens de fumo e terror que um incêndio causa.

Como ficamos quando somos atingidos por um destes jogos no qual não nos inscrevemos e que repudiamos completamente? Quando morremos, não ficamos. Mas morremos. Quando não morremos, morremos na mesma um bocadinho, ou vamos morrendo.

 

Por estas e por outras é que me parece que a estes seres humanos deveríamos, sempre que possível, agradecer de um modo que eles entendam e apreciem. Eu dizia-lhes que jogassem à verdadeira roleta russa sozinhos e até fornecia pessoalmente o revólver já preparado e com explicação completa: o tambor está totalmente carregado. Mas pode sempre acontecer que o gatilho encrave. Boa Sorte.

 

Laura Palmer

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Agosto 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde