Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

13
Mai16

Limites (Responsabilidade – 17)

Publicado por Mil Razões...

2 Rest-HansBraxmeier.jpg

Foto: Rest – Hans Braxmeier

 

Começo por dizer… melhor, por declarar que já não aguento mais! Cheguei ao limite… melhor dizendo, sinto estar a chegar bem perto do limite e por isso é melhor fazer qualquer coisa que o evite, qualquer coisa que consiga parar-me antes da linha vermelha, do precipício que seria perde o controlo.

 

Estou cansado de ser responsável e não o quero ser mais. Eu sei que ser responsável é a atitude pessoal correta, é a forma conveniente de estar em sociedade, de estar bem com o mundo. Mas, como tudo na vida, também a responsabilidade tem um lado bom e um lado mau. E o lado mau, estou a vivê-lo agora, com dor no espírito e no corpo. Conseguirei ser, tornar-me irresponsável? Penso que sim, a tudo nos habituamos e é sempre mais fácil seguir processos de degradação do que de progresso; estes exigem de nós muito esforço. Há no ser humano uma tendência natural para a degradação; se nada fizermos, degradamo-nos, sem esforço. Para o progresso temos de fazer esforço. E eu não quero esforçar-me mais.

 

Quero dizer sempre sim e praticar sempre o não.

Quero chegar sempre tarde, cada vez mais tarde, até não chegar.

Quero comprometer-me e falhar, sempre, continuamente, até que nenhum compromisso me seja pedido, até que ninguém confie em mim, até não ter qualquer capital de confiança.

Quero começar muitas coisas, mas nunca acabar nenhuma, rigorosamente nenhuma.

Quero dizer o contrário do que penso.

Quero dizer que faço não importa o quê, pois tenho a certeza de que nada farei.

Quero não olhar, nem atentar, nem me preocupar com ninguém, seja ele quem for.

Quero viver sem preocupações, sem pagar contas, apenas como o instante me suscita que viva.

Quero viver como se não existisse mais ninguém e não houvesse amanhã.

Quero ficar deitado até ser insuportável e só então, levantar-me.

Quero caminhar, só por caminhar, até o corpo cair de cansaço.

Quero olhar o mar até enjoar e só então olhar para terra.

Quero olhar a terra até ser insuportável e então repousar na escuridão dos olhos fechados.

Quero olhar o céu quando regressar a vontade da luz.

Quero não querer, apenas reagir.

Quero ser como tantos que conheço que não querem saber.

Quero não ir mais atrás, suprir as faltas dos outros.

Quero ser tanto-me-dá.

Quero ser não-me-importa-o-quê.

Quero usar tudo como desculpa para fazer nada e ser nada.

Quero deleitar-me com o nada.

Quero ser irresponsável.

 

Fernando Couto

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    sabe o que mais gosto é viver a vida com plenitud...

  • Anónimo

    Uma outra leitura, numa outra oitava, do mesmo art...

  • Anónimo

    ...estamos a ficar cegos para o amor...

  • Teresa Teixeira

    :)OS TEUS OLHOS SÃO MAIS VERDES QUANDO CHORASOs te...

  • Teresa Teixeira

    Um abraço e um brilho.

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde