Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

29
Jan16

A força do poder (Poder – 12)

Publicado por Mil Razões...

CrowdOfFaces-DawnHudson.jpg

Foto: Crowd Of Faces – Dawn Hudson

 

Não será excessivo afirmar-se que o “fenómeno do poder” está presente em todas as situações da vida, nos atos mais elementares do ser humano, sendo essencial à sociedade. Na verdade, tudo na vida gravita na sua órbita de interesses. Desde os primórdios do tempo que o Homem se sente compelido pelo poder. Daí a sua incessante busca pelo poder através dos tempos e sob as mais diversas formas.

A sua omnipresença revela-nos que, além de ser uma necessidade social, é inerente ao Homem, a este está intimamente ligado. Só entre os Homens existe poder.

Num sentido amplo, o poder exprime-se na capacidade de alterar o mundo exterior. É a capacidade de produzir efeitos externos, quer sobre coisas, quer sobre seres humanos, num dado instante e lugar. Quando não pode alcançar efeito não é poder, simplesmente não existe. Por outras palavras, o poder potencial existe se e enquanto se pode efetivar no mundo exterior, se e enquanto se pode tornar poder efetivo.

Importará, porém, distinguir e precisar que o poder que exercemos sobre as coisas, traduzido na capacidade de cada um poder modificá-las, utilizá-las, consumi-las ou destruí-las, é o poder que se inscreve no conjunto de aptidões próprias e naturais do ser humano.

Por contraditório que pareça, o poder, só por ele pode ser dominado, limitado, influenciado e disciplinado, sendo caso para dizer com muita propriedade que o poder está por detrás de tudo na vida quotidiana.

Desde sempre, e de uma forma ou de outra, mercê da sua origem, o poder orientou, influenciou e comandou as nossas vidas, para o bem e para o mal, quer pelo seu exercício sobre algo ou alguém, quer nos estados de sujeição ou de submissão do ser humano.

 

Mas afinal como se define concretamente o Poder? A sua definição não é fácil, atenta a diversidade de sentidos que pode assumir. Diremos mesmo que uma discussão sobre o poder não tem fim. Porém, enquanto fenómeno de interação, podemos defini-lo como a capacidade de impor, direta ou indiretamente, determinados interesses numa dada situação social.

É um facto incontroverso e incontrovertível que tanto o poder físico como o poder moral estão presentes nas relações interindividuais, nas relações entre os Homens.

O poder físico aparece, não raras vezes, como meio ou instrumento do poder moral, utilizado e manipulado ao serviço da mente do Homem, contribuindo dessa forma para as chamadas ”doenças do poder”, cujo exercício é orientado em determinadas situações para o mal, como tem acontecido ao longo da história da humanidade.

Mas o poder não deve ser visto apenas ao nível de uma relação simétrica entre, pelo menos, dois atores. De facto, no âmbito da interação não podemos deixar de considerar a agregação de comportamentos, como o resultado de forças reunidas em grupo. E, nesta perspetiva, o que se disse a respeito do poder nas relações interindividuais aplica-se obviamente ao que se passa no seio dos grupos.

A força do poder está sempre presente, quer nas relações interindividuais quer nas relações no âmbito dos grupos.

Caberá ao Homem, para bem da humanidade, saber lidar com o Poder.

 

José Azevedo

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Janeiro 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde