Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

11
Jan16

O amarelo (Poder – 5)

Publicado por Mil Razões...

YellowRoseFlower-KevinCasper.jpg

Foto: Yellow Rose Flower – Kevin Casper

 

No princípio era o Verbo.

Penso, logo existo. Existo logo penso.

Eu penso assim, tu pensas assado, ela de outra maneira, aqueloutro de forma parecida, mais outra pensa quase que o oposto.

Há tempo de pensar e há tempo de agir. Como é que se fazem as sínteses desta miríade de pensamentos e posições?

 

Pode ser a família, o clã, a aldeia, a sociedade em geral, o estado, mesmo as relações entre os estados. Pode ser, tão só, o condomínio do prédio onde habito.

No âmbito de todas estas entidades, organizações, é preciso, para que existam, que sejam saudáveis, se mantenham e evoluam, tomar decisões, atitudes, fazer coisas. Mandá-las fazer. Quem é que pode mandar fazer? Quem tem autoridade para tal? Quem tem o poder, o mandato para o exercer. Se tal figura não existir, as discussões serão intermináveis, não haverá decisões ou ninguém as cumprirá, não se faz o que é preciso ser feito. É o marasmo, a estagnação; será o risco de, mais tarde do que cedo, provavelmente de forma violenta, o poder ser tomado, espezinhando tudo à volta.

Há, portanto, muitas formas de pensar, de ver o mundo, uma multiplicidade de caminhos que podem ser seguidos. Isto é basilar, nunca pode ser esquecido, faz parte da individualidade de cada um de nós. Há, em simultâneo, a necessidade imperiosa (palavra adequada à circunstância) da existência da autoridade.

A história da vida organizada do Homem demonstra que não há qualquer incompatibilidade aqui. O poder, a autoridade, não são eternos, não podem ser absolutos, não são universais. Tal tem vindo a ser demonstrado e refinado há milénios de diversas maneiras, nas diversas culturas, por diversos caminhos.

 

No mundo ideal o poder e o contrapoder alimentam-se mutuamente. A autoridade vai buscar à oposição ideias diferentes, frescas, complementos fundamentais na maneira de olhar para a realidade. A oposição não existe para anular o poder, sim para o controlar, melhorando-o, impedindo a sua corrupção, para que, quando o substituir, melhor o possa exercer. A autoridade estará alicerçada na vontade da maioria, por tempo limitado, defendendo-a, mas não anulando, nem ignorando quem pensa de maneira diferente.

Onde se lê a autoridade, o poder, deverá entender-se a sua pluralidade, a sua diversidade, complementaridade. Há o poder de estabelecer regras, de executar de acordo com essas regras, de julgar o cumprimento dessas regras.

E não, embora possa parecer, o poder, o contrapoder, a diversidade nas opiniões e na sua aplicação, não servem só para a política, a organização do estado. Lembremo-nos da moda, dos clubes, da(s) religião(ões), tudo baseado na aceitação do indivíduo e nas suas diferenças; na aceitação da sociedade e na bondade da sua organização.

 

Se todos gostássemos da mesma cor o que seria do amarelo?...

 

Jorge Saraiva

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Janeiro 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigada pelo seu contributo nesta empreitada de d...

  • Anónimo

    Uma pincelada de amarelo, pelo respeito de quem de...

  • Anónimo

    Mais um texto que mexeu comigo. Maravilhoso. Obrig...

  • Mil Razões...

    As redes sociais não são uma ajuda clínica. Quando...

  • Anónimo

    Tem algum grupo em alguma rede social para acabar ...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde