Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

07
Dez15

Não me abandones (Medo – 10)

Publicado por Mil Razões...

Couple-GeorgeHodan.jpg

 Foto: Couple – George Hodan

 

Com os olhos lacrimejantes, fixou-a. Estava rosado de medo.

- Não quero perder-te. Não posso voltar a perder. Foram demasiadas partidas. Não sabes como é dizer adeus, uma, outra e mais outra vez. Não me abandones. É demasiado para mim.

Acariciou-lhe o rosto e recebeu, em contrapartida, serenidade.

- Não tenhas medo. Ninguém sabe o amanhã. Não te prometo o sempre. Estou aqui agora, neste momento. Na verdade, vamos perder-nos, mais dia, menos dia.

Os olhos tornaram-se ainda mais redondos, como se contemplassem o terror emaranhado no mundo.

- Como podes dizer isso, depois de te confessar o meu medo?

Voltou a acariciar-lhe o rosto, como se aquele toque fosse um calmante da alma.

- Que coragem teria eu de mentir-te? Vamos, um dia, perder-nos do que somos agora. Mas isso é o destino de todos nós. Aceita. A partir daí viverás sem que o medo te impeça de, realmente, seres e pertenceres.

- Tenho medo de voltar a sentir aquele abandono de quem vê partir para nunca mais ver regressar.

- Eu sei. Quem não tem esse medo? Faz parte da nossa carne, do nosso sangue, da nossa alma. Às vezes é mais desperto em pessoas que, como tu, sentiram na pele esse medo tornar-se mais do que uma ameaça. Porém, não te iludas. Todos sofremos desse mal. É tão pouco o que nos faz despertar.

- Então, se tens medo e compreendes o que sinto, porque não me prometes o sempre?

- Porque estou aqui, agora, contigo. Não pelo medo. Não sou sua prisioneira. Não te prometo um sempre para, simplesmente, confortar-te e mascarar o teu medo. Sou crua para que sintas que o que aqui está é real e mesmo que se finde, fará parte de ti, como tudo o que se perdeu permanece em ti. Não te iludas com nada que é, aparentemente seguro, pois é aí que tudo pode, repentinamente como a vida, perder-se.

 

Abraçou-a tão forte como um sufoco, repleto de medo. Breves momentos depois, constatou que não arredara pé. Viu-a sorrir. Fixou-se nesse sorriso e, naquele momento, esqueceu o medo.

 

Cecília Pinto

 

04
Dez15

Helena (Medo – 9)

Publicado por Mil Razões...

OldChildSwing-GeorgeHodan.jpg

 Foto: Old Child Swing – George Hodan

 

Entre a baforada de ar quente que lhe saia da boca e o cheiro de lenha queimada que a chaminé exalava, Helena relembrava aquele momento 25 anos antes. Era apenas uma miúda de 12 anos. Estava em casa da avó num domingo de habitual convívio entre família e amigos, repleto de conversas cruzadas e gargalhadas e esgueirara-se para o quintal, onde deveria esperar por Jaime. Era o grande momento e Helena sentia-se a tremer. Jaime era seu namorado há 3 meses e, por timidez e falta de experiência, o primeiro beijo ainda não tinha acontecido, apenas uns beijinhos inocentes nos lábios e nada mais. Planearam esse emocionante acontecimento na semana anterior e a ideia era simples: depois do anoitecer e no meio da domingueira algazarra, Helena deveria esgueirar-se para o quintal, para junto do baloiço suspenso no cedro – foi aí que tudo começara – e Jaime segui-la-ia passados alguns minutos, não seria complicado porque a casa da avó estava sempre cheia de gente e ninguém daria pela falta dos dois.

O cheirinho a lenha queimada que saía da chaminé, junto com o aroma do cedro, combinavam na perfeição com aquela tarde gélida de quase inverno, que vidrava o olhar e tornava o rosto dormente. Helena sentiu naquele momento que, afinal, é possível o coração sair pela boca, de tal forma o seu coração ansioso lhe palpitava quase na garganta. Há anos que conhecia Jaime, mas só meses antes é que ambos perceberam que gostavam um do outro mais do que como simples amigos. E agora que se aproximava o momento que acalentava há mais tempo do que alguma vez reconheceria, estava nervosa e receosa, com o pensamento a rodopiar num turbilhão de curiosidades e expetativas. O Jaime finalmente ia beijá-la… O seu Jaime, de nariz arrebitado e pintalgado de sardas, com uma palinha de gel no seu cabelo dourado, e irresistível ar de malandro.

 

Mas, quem chegou ao pé do cedro antes do Jaime, junto do baloiço onde durante anos brincara com Jaime, foi o seu tio Vítor, marido da tia Gui, uma das grandes confidentes de Helena, que era ainda muito jovem e, por esse motivo, uma verdadeira companheira para Helena. Era habitual o tio Vítor desaparecer por entre os campos e aparecer do nada, por isso não lhe fez confusão encontrá-lo ali, simplesmente queria que ele fosse embora. Mas o tio estava estranho, com um olhar vidrado e com uma conversa nada habitual, não era bem conversa, o que fez com que Helena, naquele momento, desistisse de esperar Jaime e começasse a rodar os calcanhares para regressar a casa; mas não teve tempo de dar um passo. O tio puxou-a para si, segurou-lhe os braços, cercou-a e enfiou-lhe literalmente a língua na boca. Helena sentiu-se morrer naquele momento em que um estranho corpo quente e escorregadio lhe entrava na boca, com um bafo levemente alcoólico, fugiu aflita enquanto ao longe ouvia o tio a chamá-la e a rir-se, como se tivesse pregado uma partida. Bandalho.

 

Ao entrar em casa chocou com Jaime que tinha, finalmente, conseguido ver-se livre para ir ter com ela e que ficou atónito quando a viu entrar, completamente transtornada. Nem se atreveu a segui-la. Talvez Helena se tivesse arrependido.

Helena foi para a pequena sala de estar completamente arrasada de medo: medo de ter feito ou dito alguma coisa que levasse o tio a ter aquele comportamento, medo de contar a alguém, pois podiam não acreditar nela, ou pior, culpá-la pelo sucedido, medo de semear discórdia entre os familiares, medo de desiludir a tia, medo de estar próxima de alguém e, sobretudo, medo que aquela cena hedionda se repetisse. Reviu mentalmente, vezes sem conta, a conversa com o tio, para tentar perceber se foi alguma coisa que disse que originou aquela situação. Durante dias, Helena teve pesadelos com essa imagem tão fugaz quanto esmagadora e por uns tempos teve de ignorar os olhares nojentos e fugir aos avanços do tio. Ao mesmo tempo, nunca mais se aproximou de Jaime e, gradualmente, deixou de frequentar a casa da avó aos domingos.

 

Passados 25 anos, ainda conseguia sentir o sabor daquela língua, quente e viscosa a invadir-lhe a boca, sentia o cheiro do seu after shave rasca e não conseguia evitar um esgar de nojo e dor ao recordar aquele medo petrificante. Não que se lembrasse disso todos os dias, mas de vez em quando essa memória insistia em voltar e a sensação de repugnância era a mesma.

 

Helena não foi violada sexualmente, não foi agredida, mas foi atacada na sua mais profunda inocência e, inevitavelmente, algo se quebrou dentro dela a partir daquele dia. Durante anos não conseguiu relacionar-se com o seu próprio corpo, sentindo uma certa aversão por si mesma e cultivou a ideia de não ser digna de nada, posicionando-se sempre na cauda de todos os cometas. Não lhe foi fácil perceber a origem da sua insegurança, nunca tinha tido coragem para confidenciar esta cena a ninguém, era estranha demais, horrível demais, nojenta demais e ainda sentia na pele o medo avassalador de poder ter sido a culpada. Mas passados anos e alguns relacionamentos falhados, chegara a um ponto em que tivera de procurar ajuda para fazer uma profunda reflexão sobre toda a sua vida, a sua insegurança, a sua teimosia em achar-se pouco válida e a sua necessidade de depender sempre de outrem para gostar de si própria. Chegara a hora de avançar com o seu crescimento pessoal, de se cuidar e de deixar de sentir medo de apontar.

 

Durante anos fizera, inconscientemente, o luto do beijo do Jaime, que não pode receber e estava ali para enterrá-lo de vez. Abeirou-se do cedro, já sem baloiço, e agradeceu-lhe em silêncio por todos os momentos bonitos que viveu em seu redor, repletos de amor e ternura, e finalmente murmurou: “Obrigada por teres esperado por mim o tempo suficiente para eu te vir cá dizer que chegou a altura de voltar a ser a Leninha feliz, segura e descontraída que sempre conheceste. Não assististe ao meu primeiro beijo, mas prometo que vais assistir ao próximo.”.

 

Ana Martins

 

02
Dez15

Não deve temer-se o medo (Medo – 8)

Publicado por Mil Razões...

BeCareful-PeterGriffin.jpg

Foto: Be Careful – Peter Griffin

 

Estas linhas, que se seguem, são mesmo para si, caro leitor. Para o mais profundo de si mesmo. Servem para lhe lembrar o quão é especial, o quão é necessário e o quanto pode aprender com aquilo que teme. Tem medo de alguma coisa? Tudo bem… faz parte de se SER. Mas como disse uma vez um sábio: “Onde é que reside o teu maior medo? É para lá que deves dirigir-te!”. Porque geralmente o medo é muito superior à situação que se teme… Faça sempre o possível para acalmar os seus receios, mas se puder, enfrente-os. E depois confie. Tudo passa… até o medo.

 

                                                                                                                        

                                                                                                                        

                                                                                                                        

                                                                                                                        

                                                                                                                        

                                                                                                                        

                                                                                                                        

                                                                                                                        

                                                                                                                        

                                                                                                                        

 

Sara Almeida

 

Pág. 2/2

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Dezembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde