Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

30
Nov15

Renascer no desapego (Medo – 7)

Publicado por Mil Razões...

WomanSmiling-PeterGriffin.jpg

Foto: Woman Smiling – Peter Griffin

 

Alguém desligou o som, depois a luz. E o tempo parou. Quando reiniciou a marcha, sem ter percebido que havia parado, deu por si fragmentada e esquecida. Havia um antes e um depois de qualquer coisa omissa. Uma brecha, pequenina, quase insignificante, era agora um portal de livre circulação de todos os demónios, outrora em quarentena segura. E o tempo, sem saber quem era, não se compadeceu de nada nem de coisa nenhuma: fez a alma acolher a anarquia, permitiu à mente rodar as piores películas de sempre e esmagou o coração sob a tirania da mentira e do desencanto. Tudo isto como um castelo de cartas, derrubado com um sopro suave, quase poético, mas cujo fascínio termina no momento em que cai a última carta. Caiu tudo. Mudou tudo. Tudo.

Acordada da letargia que lhe desligou o relógio, tomou consciência do quanto doía dentro de si. Os dias e as noites foram atormentados por uma multidão, que gritava e bailava, dentro dela. Vultos sem rosto, vozes zangadas. Quanto mais a alma sangrava, mais nítido se tornava aquele cenário: os seus demónios, à solta, numa dança perversa. Estavam lá todos. Serviu-lhes um cocktail à chegada e assistiu, sem mexer um dedo, à expropriação de si mesma. Em pouquíssimo tempo, tudo o que tinha sido já não era, mas continuava sem saber o que chamar àquele intervalo frenético. Não sabia o que lhe faltava lembrar para respirar sem doer. Andou assim muito tempo: fora dela, sem força para agir; dentro dela, absolutamente perdida, escrava de algo sem nome nem código postal.

 

Numa incerta manhã, porém, sentiu-se mais leve. Os demónios já não dançavam tranquilos dentro dela. O tempo começava a ligar as pontas soltas e a estreitar afetos genuínos. Sentiu-se abraçada pelo universo, envolvida num manto de amor e, lentamente, vislumbrou luz dentro da alma. Uma chama tímida iluminava o maior dos seus inimigos: o medo, atroz. De quê? De tanto. Demasiado. Ali, iluminado, num canto. Imenso. Pesado. E aquela chama. Pequenina. Pálida. Não se reconheceu nela mas havia algo de familiar no tipo aninhado no canto. Sentiu medo do medo, por si nomeado maestro dos afetos e da esperança. Deixou-o conduzir a sua vida, em absoluta escuridão, com uma batuta exigente e pesada, a um ritmo alucinante. A seu lado, mirando a orquestra, a culpa, companheira silenciosa de algumas décadas. Mas, ao longo dos meses, a dança foi ficando mais lenta e solitária. Alguns bailarinos exímios deixaram de ter parceiro à altura e abandonaram o recinto; o suficiente para, pela primeira vez, conseguir sentir o calor daquela chama e perceber como era, afinal, tão forte. Deu-se inteira à força daquela energia, deixou-a varrer memórias para parte incerta e, naquela centelha de luz, sentiu-se enraizar e crescer.

O tipo, no canto, continua lá. Tem dias em que ainda consegue levantar-se e gritar, mas já não há chama que o alimente por muito tempo. Parte dela sente que, se hoje o tempo dói, o tempo cura. Sabe que, se hoje o medo grita, o amor abraça num silêncio que protege, suavemente. Continua assustada e confusa, em digestão lenta de um processo de finitude, mas sente que talvez seja apenas o fim do reinado do medo. Morrer para renascer, num reino sem déspotas. Sente-se no caminho do desapego e, ao mesmo tempo, a aprender a receber. Apesar dos dias em que boicota esta intenção, sabe que o mundo não vai desmoronar. Ainda que assuste esta mudança. Ainda que doa.

 

Dentro dela há, subitamente, um antes e um depois, não do amor e da vida, de que se esqueceu ser merecedora, mas da dor e da angústia que, numa implosão violenta, quase a destruíram. Sabe que morreu, que já não é a mesma, mas sente-se renascer naquela chama que segue no horizonte. Quando se foca nela sente a alma vibrar, numa harmonia que a faz sentir-se em casa. Ainda não está mais plena, de sonhos e resiliência, mas sente mais leveza nos seus passos. Para trás, fica a bagagem que não lhe pertence mais. Ainda não sabe para onde vai mas já não está perdida. Algo lhe diz que está no caminho certo.

 

Alexandra Vaz

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Novembro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde