Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

08
Nov15

Como se continua a não ter tempo? (Tempo – 17)

Publicado por Mil Razões...

GirlsWithMasks-LucyToner.jpg

Foto: Girls With Masks – Lucy Toner

 

O tempo é algo que me tem atormentado bastante nos últimos dois anos. Quando estudava escritores na escola e alguns deles falavam sobre a imutabilidade do tempo e como a angústia da sua passagem se refletia na sua escrita, nunca percebia por que razão isso os afetava tanto! Agora percebo, porque também a mim o tempo me angustia! Não só a passagem do tempo mas também o que fazemos dele.

 

Há dois anos atrás a minha irmã morreu num acidente de carro e a forma como eu via o tempo alterou-se profundamente. Sempre tentei ter tempo para as pessoas de quem gosto e muitas vezes dava prioridade a isso em detrimento de outras coisas. Durante alguns anos não me importava de ter horários pequenos nas escolas, porque assim tinha tempo livre para me dedicar a estar com as pessoas.

Passava muito tempo com a minha irmã. Nos últimos anos ela tinha estado fora do Porto, a trabalhar, e só vinha a casa nos fins-de-semana. Então passava os fins-de-semana com ela e mesmo durante a semana, não estando fisicamente, falávamos muito ao telefone. De repente, esta pessoa deixou de estar. Acabou-se a sua presença. Acabou-se o tempo para ela e acabou-se o tempo com ela para mim.

Nos primeiros dias a pergunta que se impunha era “Como é que a vida continua depois disto?”. Nos dias seguintes a pergunta passou a ser “Como é que se continua a não ter tempo depois disto?”. E é algo a que não consigo responder. E isso angustia-me.

Como é que não se tem tempo se estamos vivos? Qualquer palavra pode ser a última, qualquer convite recusado pode ser o último, qualquer momento passado com amigos pode ser o último e ainda assim as pessoas continuam a não ter tempo! Como é que isto é possível?

 

Vivemos como imortais. Ela foi, nós não, por isso temos tempo. Amanhã dá. Para a semana ainda chega. Daqui a um mês vai muito a tempo. E se não for?

O tempo passado na companhia de quem mais gostamos é a coisa mais preciosa que temos na vida. É o tempo que passamos e aproveitamos com essas pessoas que atenua um pouco o sofrimento da perda. Enquanto cá esteve vivemos momentos juntos, partilhámos, falámos, rimos, chorámos, fizemos tudo. Quando a pessoa vai embora, a sensação de que aproveitámos todos os momentos que podíamos aproveitar é o que nos dá uma certa tranquilidade. “Enquanto cá esteve eu vivi e partilhei com ela a minha vida”. A tranquilidade vem daqui, a saudade de tudo o resto.

Tivemos as duas todo o tempo do mundo e agora como é que o mundo não tem tempo? Perante a morte e a ausência, como é que o mundo se atreve a não ter tempo? São perguntas, indagações que me inquietam e angustiam. O tempo foge de ter tempo!  

 

Patrícia Leitão

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Calendário

Novembro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde