Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

28
Set15

Correção moral (Consciência – 19)

Publicado por Mil Razões...

GunOnGround-RakiHalder.jpg

Foto: Gun On Ground – Raki Halder

 

- Mata-o! Mata-o, ou serás tu a morrer! Mata-o, traidor! Ele é tão traidor como tu e por isso merece morrer! Se não for ele serás tu, verme miserável! Achas que ele te poupará quando eu lhe colocar a pistola na mão?! Achas que ele continua a ser teu amigo?! – gritou o capitão junto da orelha de M. e, de seguida, pousou-lhe a pistola sobre mão direita, aberta, dorida, ensanguentada, sobre a coxa, exausta.

 

M. conseguiu olhar R. pelas pequenas frestas que dolorosamente abriu por entre as pálpebras inchadas. Olhou R. e imaginou-o um espelho, devolvendo-lhe a provável imagem de si mesmo. Corpo magro de meses sem uma refeição capaz nem um sono tranquilo, dobrado sobre si mesmo, sentado numa cadeira, contorcido, roupas rasgadas e empapadas em sangue, descalço, pele escurecida pelo sangue seco e pela sujidade arrancada ao chão. No lugar da cara uma área tumefacta, disforme, vermelha.

 

O capitão recuou, colou-se à parede junto a um dos soldados que, segurando as armas, preveniam algum imprevisto. Aproveitou o tempo que dera a M. para que decidisse matar ou morrer, para descansar um pouco. Estava há já duas horas ali, a bater-lhes, a torturá-los, a quebrá-los como eles mereciam pela sua condição de vermes, de traidores, de estalinistas. Tentou respirar profundamente, procurou acalmar-se.

 

Pela cabeça de M. passou rápido o filme de uma boa parte da sua vida, aquela maior parte em que ele e R. foram amigos. Desde o primeiro dia de escola, os pais, as borgas, as namoradas, os casamentos, os filhos, a guerra. Sempre a guerra, inevitável, a marcar os tempos, a marcar os homens, como se fosse uma necessidade básica junto com respirar, dormir ou comer. Lutaram juntos contra os alemães. E agora estavam ali, em Goli Otok, porque o marechal Tito resolveu mudar de amizades, decidiu impor-se. Sabia que aquela história só poderia acabar mal, que o capitão faria com que pelo menos um deles morresse. Naqueles meses tinha entendido como era colocada em prática a “correcção moral”: pais a matarem filhos, filhos a matarem pais, irmãos a matarem irmãos, amigos a matarem amigos, como teste ao seu arrependimento, como prova de que tinham sido quebrados. A reeducação consistia em liquidar toda a dignidade e toda a humanidade aos traidores corrigidos. E agora era a vez dele e do seu querido R..

 

O corpo de R. não aguentava mais pancada. O seu ser também não. R. sabia ser bem mais fraco do que M. e pensou o que faria se M. vacilasse, se o capitão fizesse aquilo que disse, se colocasse a pistola na sua mão. Dispararia sobre si próprio, sem hesitações, acabaria com aquela tortura e salvaria o seu querido M., ali e para o resto da sua vida que desejava fosse muito longa e sem culpa. R. sabia que nunca suportaria viver com a culpa de ter matado M., mesmo naquelas circunstâncias, mesmo no limite da sobrevivência. Antes a morte.

 

O capitão fechara os olhos e assim evadira-se daquelas paredes, daqueles muros, daquela ilha maldita. Estava há um mês sem ir a casa, tantos eram os traidores, assim o coronel lho exigia. Estava exausto. Desejou, como nunca acontecera antes, o calor e o perfume dos braços da sua amada F..

 

M. apertou a mão e sentiu o conforto frio do corpo metálico da pistola. Olhou para R. que permanecia imóvel, como se estivesse já morto. Sabia que o seu amigo era mais fraco. Procurou fixar-se nessa diferença. Esta decisão era o exercício mais requintado da tortura que o capitão lhe infligira, o maior desafio à imaginação. O instinto vital impelia M. a disparar sobre R. e assim sobreviver, acreditando que o capitão o deixaria partir já na condição de corrigido moral. Mas como seria o depois? Como viveria o resto dos seus dias corroído pela culpa? E se nada fizesse, permitindo que o capitão invertesse o jogo, como jogaria R.? Ao empurrar para R. a segunda jogada, deixaria ao seu amigo apenas a hipótese de disparar e matá-lo. E então como seria o depois, como lidaria R. com a culpa da sua morte? M. sabia que R. não aguentaria, que sucumbiria destroçado.

 

O capitão regressou lentamente. Abriu os olhos e tudo continuava imóvel como se o tempo tivesse parado.

- Porra para estes sacanas traidores! – ralhou para dentro de si, aproveitando o impulso para se arrancar à parede que sentia reconfortante como uma cama com lençóis de seda. Aproximou-se de M. e gritou:

- Mata-o, sacana! Mata-o, ou morres! Despacha-te! Tenho mais coisas para fazer!

 

T. recebeu, acarinhou e cuidou de M., quando ele, três dias depois, regressou a casa. Amou-o ainda mais do que antes.

 

L. chorou e doeu-se pela perda e pela saudade de R.. Contida a dor, feita a saudade companheira fiel, retomou a sua vida, mas continuou a chorar. Chorava, não por ódio, não por desejo de vingança, mas pela pena que sentia de M. e de T., pela cruz que eles arrastariam por toda a vida. Sabia que M. fizera a escolha mais difícil e estava-lhe agradecida.

 

Desde que M. levantou aquela arma, até ao instante em que partiu, dezasseis anos passados e completamente quebrado pela culpa, da sua boca não saiu uma única palavra.

 

L. chorou e sentiu compaixão. Compaixão pelo destino de M., compaixão pelo instante em que ele fez uma escolha, podendo ter feito outra.

 

T. continuou a amar M..

 

Nota: Texto inspirado em “Anima Mundi” de Susanna Tamaro.

 

Fernando Couto

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigada pelo seu contributo nesta empreitada de d...

  • Anónimo

    Uma pincelada de amarelo, pelo respeito de quem de...

  • Anónimo

    Mais um texto que mexeu comigo. Maravilhoso. Obrig...

  • Mil Razões...

    As redes sociais não são uma ajuda clínica. Quando...

  • Anónimo

    Tem algum grupo em alguma rede social para acabar ...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde