Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

25
Set15

Em desassossego (Consciência – 18)

Publicado por Mil Razões...

Manguito.jpg

 

Minha alma é uma orquestra oculta; não sei que instrumentos tangem e rangem, cordas e harpas, tímbales e tambores, dentro de mim. Só me conheço como sinfonia.

Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

 

A Consciência, é o quê?

Dizem-me que já estive sem ela e deve ser verdade porque há seis dias na minha vida que, para mim, não existem. Ou por outro lado, pelas consequências que tiveram tenho a certeza que infelizmente existiram. Se fosse só pelos relatos, orais e escritos, duvidaria até hoje. Mas não, o meu corpo e a minha mente repetem-me constantemente e implacavelmente que sim, que embora “Eu” não estivesse lá, estava. Depois seguiram-se mais seis dias em que, na maioria das opiniões dos outros, terei continuado sem consciência, porque estados de coma, ainda que induzidos e de sedação profunda, levam-nos daqui para fora.

Diz o magnífico António Damásio, no seu Livro da Consciência, que a consciência é um estado mental em que temos conhecimento da nossa existência e da existência daquilo que nos rodeia. E, se bem o entendi, nem a dormir temos consciência. A consciência, continua Damásio, é o estado mental particular que inclui o conhecimento de que a dita existência ocupa uma certa situação. Antes que alguém adormeça de tédio, perdendo portanto a consciência, vou parar de citar autores brilhantes e de repetir incessantemente a palavra “consciência”, está bem?

 

Com tudo isto queria chegar apenas ao que sinto e ao que penso, depois de um hiato na minha existência (se estamos inconscientes, estamos vivos?). E a esse nível, falhando-me certamente conhecimentos científicos mas com o impulso da minha experiência pessoal, acho que tudo se resume a sabermos que somos.

Se aqui estou hoje a escrever este texto é, seguramente, porque mesmo “em coma”, ou coisa do género, senti sempre que era eu, fosse lá essa pessoa quem fosse. E que havia pessoas que amava e que ainda precisavam de mim; uma delas a sussurrar ao meu ouvido, teimosamente e contra todas as lógicas aplicáveis ao meu corpo e à minha mente, que voltasse, que recuperasse a nossa vida, que estava ali à minha espera. Durante os dias que se seguiram, ignorando a medicina e os maus augúrios que pairavam em atos e palavras, essa pessoa não desistiu. E eu, teimosa e empenhada, sabendo que não estava só, fui voltando. Ainda estou a voltar. Como me disse uma terapeuta, recentemente, o meu corpo agora é como um filme: tem várias sequelas. Eu ri-me a bom rir, não só porque adoro piadas como também só tenho motivos para rir. Estou com a minha família. Perdoem-me o vernáculo, mas sinto que fiz um manguito à Dona Morte.

 

Em conclusão, enquanto soubermos que existimos e que temos motivos para existir, temos consciência. E temos poder. Agora é só usarmos esse poder para espalhar Amor.

Assim à laia de pseudoescritora intelectualoide:

Minha alma é um espaço oculto; não sei que planetas e estrelas o habitam, quantas galáxias nascem e morrem nele, quandos buracos negros domina, quantos novos sóis brilham hoje nele, onde começa ou onde acaba. Só me conheço como universo.

 

Laura Palmer

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde