Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

09
Set15

Múltiplos caminhos (Consciência – 11)

Publicado por Mil Razões...

AggressiveDevil-PetrKratochvil.jpg

Foto: Aggressive Devil – Petr Kratochvil

 

O que é a consciência? Que voz é esta que nos sussurra bem baixinho o que devemos ou não fazer? Devemos ouvi-la? Devemos agir segundo algo que não conhecemos ou que não sabemos explicar?

Consciência é a voz imaginária que habita o interior de cada um de nós. Explicá-la, com exatidão, é um desafio com que nos deparamos sempre que tentamos arranjar uma resposta lógica para este impulso que nos leva a agir de determinada forma.

Todos nós sabemos praticar boas ações… mas teremos sempre pensamentos bons? Pensamentos maus… quem os não teve em algum momento… mas tal não obriga a que estes sejam transcritos para más ações.

Podemos ver a consciência como uma avaliação moral que fazemos de algo, sem sequer nos darmos conta de que o estamos a fazer. É uma capacidade natural de perceber, em cada situação, o que se afigura como certo, prioritário e em que medida devemos agir.

É a nossa consciência que nos leva a dar conta do que devemos fazer… e repito, do que devemos mas que nem sempre seguimos. A decisão surge depois… surge após escolhermos seguir ou não o juízo criado pela nossa consciência. É no seguir ou não esta voz, este caminho traçado pelas premissas do que está certo ou errado, que nós próprios deslindamos o nosso destino e daqueles que nos rodeiam.

Em variados momentos, muitos são aqueles que lutam, sem que de tal se apercebam, contra esta voz que nos guia pelo caminho, que nos faz distinguir o bem do mal. Esquecem-se deste impulso e são guiados por ações negativas baseadas em preconceitos, legitimando a inferiorização dos outros e infligindo sofrimento.

Para a pessoa que cometeu algo que é errado, a voz de sua consciência é sempre uma chamada de atenção para as suas ações. É isto que nos distingue dos animais; eles não têm consciência do que fazem: não sabem se fizeram o bem ou o mal. O homem, pelo contrário, tem no seu interior uma voz que diz: “faz o bem, evita o mal”.

Apesar desta voz nascer connosco, a consciência precisa ser bem formada porque está sujeita às influências do meio que nos rodeia. Uma consciência bem formada é reta e verdadeira. Formula os seus julgamentos seguindo a razão, de acordo com princípios como a igualdade, a solidariedade e a justiça. É através do juízo criado pela nossa consciência que percebemos que somos todos iguais, independentemente da cor da pele, do estatuto social, do dinheiro que possuímos ou do sítio onde vivemos.

A educação da consciência é indispensável aos seres humanos submetidos a influências negativas. Muitas vezes são as circunstâncias da vida que levam a “abafar” a voz que nos indica o que está certo.

Esta voz que se ergue antes de qualquer ação tomada por nós, repete-se também após a tomada de decisão, para que possamos avaliar o caminho que escolhemos.

Que os vários caminhos e atalhos escolhidos por cada um de nós convirjam numa tomada de consciência coletiva… a do fazer o bem, a de acolher a diferença, a de não julgar, a da tolerância… a da igualdade.

 

P. Melo

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Setembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde