Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

29
Jul15

Quando o nada nos assombra (Marginalização – 13)

Publicado por Mil Razões...

Acne.jpg

 

Por marginalização entendemos, quase sempre, o sentido alargado da palavra, isto é, o preconceito e a indiferença a que determinado indivíduo, ou determinado grupo, com certas caraterísticas diferentes da sociedade, ou do contexto onde se insere, está sujeito, sendo olhado de soslaio e provocando reações, desde a indiferença até à agressão.

Acontece é que nos esquecemos, ou então não nos apercebemos, daquela marginalização que infligimos a nós próprios. É esta que abordo neste artigo.

A automarginalização reveste-se de vários feitios: impedimo-nos de ir a alguns sítios ou de estar com amigos, porque estamos gordos e todos vão dizer uma piadola, ou porque é demasiado frustrante aparecer nos eventos sociais – mesmo com amigos de sempre – sem uma companhia, ou porque a porcaria do acne chama mais a atenção do que a Casa da Música iluminada. Às vezes, simplesmente não vamos a sítio nenhum porque não queremos que olhem para nós. Porque não queremos que olhem para o nada que nos sentimos. Porque nos anulamos.

Marginalizamos a nossa inteligência e o nosso potencial de seres pensantes, também quando não intervimos em conversas por achar que a nossa opinião não é válida e que os outros é que são brilhantes, ou quando não lutamos por melhores condições no trabalho, por medo de sermos ainda mais ostracizados, mas não nos mexemos para procurar outro emprego, porque a crise-aperta-e-não-se-sabe-o-dia-de-amanhã.

Nos relacionamentos, o cenário não é muito diferente. Muitas vezes mantemo-nos no mesmo grupo de amigos que faz de nós o saco de risada e que feitas as contas nem sequer são assim tão amigos, mas são a companhia que temos e de outro modo, não teríamos com quem conviver, porque fazer novas amizades é complicado.

A automarginalização também acontece nos relacionamentos que se querem amorosos. Quantas vezes um dos elementos do casal sabe que não é amado pelo outro; ao contrário, é visto com indiferença, desprezado, humilhado, traído até, mas deixa-se ficar, mesmo sabendo que cada vez vai ser pior, porque os cacos, às vezes nem com cola – daquela mesmo muito boa – se encaixam. Porque o medo de ficar sozinho é avassalador quando comparado com um relacionamento sem amor ou consideração. E nessa situação, ao menos, vai-se tendo alguma companhia, mais não seja para sair, e é tão complicado o mundo dos afetos… quem é que garante que o próximo, se houver próximo, vai ser melhor.

E então? Chegou a esta parte do artigo sem se identificar com nenhum destes exemplos? Olhe que eu identifico-me com alguns.

Fazemos assim, se não se identifica com nada do que falo aqui, dou-lhe os meus sinceros parabéns. Se eventualmente se revê em qualquer uma destas imagens, ou se consegue através destes exemplos identificar a sua automarginalização (ora aí está um termo bastante feio), então, nesse caso, dou-lhe a minha mão. Acredite que não está sozinho.

 

Ana Martins

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde