Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

24
Jul15

Quando a marginalização se herda (Marginalização - 11)

Publicado por Mil Razões...

ManLookingDown-МаксимКукушкин.jpg

 Foto: Man Looking Down – Максим Кукушкин

 

Quando a marginalização se herda, a circunstância de exclusão é um cordão umbilical bem mais difícil de cortar do que o físico que, por si só, cai.

São inúmeros os estudos que concluem que as famílias apresentam um padrão que se perpétua de geração em geração e que romper esse padrão é uma realidade pouco comum.

Se até há pouco tempo, a marginalização era uma circunstância associada a um tecido sociofamiliar económica e culturalmente desfavorecido, hoje temos essa mesma circunstância a expandir-se para tecidos sociofamiliares económica e culturalmente mais desafogados. É uma consequência do empobrecimento galopante da população!

Ora, se havia um grupo marginalizado por viver num ambiente onde a carência gerava atitudes de revolta visíveis no desinvestimento escolar e cultural, na prática de delitos e na recusa de valores de vida saudáveis, agora há um grupo marginalizado por viver num ambiente onde a carência gera atitudes de uma revolta escondida, feita de ressentimentos causadores de uma angústia pela impossibilidade de se entregar ao culto de uma aparência que já não é possível sustentar.

Nos dois casos, a experiência da exclusão obriga a uma reflexão muito, muito profunda e cuidada sobre a realidade política mundial. A sociedade adoece a cada década e a sociedade é cada cidadão, ser de individualidade e dignidade!

Talvez valha a pena regressar à origem da palavra política, na verdade ela contém uma dica preciosa para essa reflexão que urge fazer de forma continuada e por todos.

Política provém de pólis, cidade, e o cidadão que vive na cidade é político.

Fica claro que ao político, ao cidadão, ao ser de individualidade e dignidade, cabe o dever de construir a sua cidade, pelo que lhe é exigido um olhar permanente e crítico, uma atenção comprometida e uma procura responsável de um amanhã saudável e harmonioso. Jamais, sob o risco de se oferecer a uma destruição lenta, poderá depositar nas mãos de outros a escolha das respostas ajustadas à construção de um mundo melhor. Jamais, sob o risco de se deixar iludir e ludibriar, poderá alienar-se da sua realidade, repousando na convicção de que alguém promoverá a construção de um mundo melhor.

O mundo melhor constrói-se com as políticas dos políticos que somos todos nós e não um “eles, os políticos” e é imperioso que cada um assuma esta sua dimensão: a de ser político! Não se esquece que há um Lugar Institucional, o do Poder Político, mas lembra-se que esse lugar é ocupado por nós porque votamos. Cada ser individual deve cumprir-se nesta sua dimensão para poder preservar um valor inalienável do ser humano que é a DIGNIDADE. Nisto reside a cura para esta doença que ataca as sociedades: a marginalização.

Quando a marginalização se herda, a circunstância de exclusão é um cordão umbilical bem mais difícil de cortar do que o físico que, por si só, cai. A experiência da exclusão perpetuar-se-á se cada indivíduo não assumir de forma plena e permanente a dimensão cívica, política de que está imbuído desde a nascença pela sua condição humana.

A marginalização termina no exato momento em que a pessoa abandona as margens da alienação e do amorfismo e se assume ser de pensamento crítico, vontade e sonho que é o que realmente pode derrubar todas as margens que separam e aniquilam.

 

Sónia Coimbra

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde