Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

06
Abr15

E agora!? (Agora – 3)

Publicado por Mil Razões...

PassarosNamoram.jpg

 

O Agora é um viveiro de sentimentos e emoções. Criam-se e reproduzem-se saudades, nostalgias e outros estados de alma sobre o passado, alimentam-se ânsias e desejos do futuro. O aqui e agora é inutilmente esquecido, para nos fixarmos no que já passou e no que ainda há de vir.

Ainda há pouco, o indispensável passeio matinal de domingo pela alameda de árvores floridas, com pombos de penas aprumadas e arrulhar rejuvenescido, manifestações claras de que estão prontos para perpetuar a espécie, espevitou-me para o dia. O sol, pouco quente mas brilhante, tem sempre o efeito de me resgatar ao bafio do soturno inverno. Só agora, passado que é, consciencializei-me de que foi um momento muito agradável e que merecia ter sido apreciado com mais entrega.

Agora, frente ao computador, vejo deslizar palavras e imagens que não prendem a minha atenção, engolida que é pelas memórias do passado. As memórias tomam conta do momento e dominam-no.

Num dia de sol, noutro tempo e noutro lugar, no meio de dor e alegria, perpetuei a minha existência com o nascimento do meu filho. Foi há alguns anos, mas ainda consigo sentir, agora, o mesmo que senti na altura. A vida que teimava em sair e provocava movimentos visíveis no meu ventre, o desejo de ver e tocar, o vazio do meu corpo abandonado, o cansaço, os odores, tudo isto, sendo passado, fará sempre parte do meu presente. Não quero, por nenhuma razão, afastar estas emoções de tão valiosas que são. Mas se nesse momento ganhei da vida e para a vida mais um Ser, noutros perdi. Perdi pessoas de quem nunca quis separar-me. Chorei-as até me conformar com a perda. Inconformei-me com enganos e injustiças. Sofri abandonos e abandonei. E, de cada vez que a minha tranquilidade era interrompida, perguntava-me: E agora!? O imperativo da pergunta exigia uma resposta urgente. E tantas vezes o esforço, para conseguir uma resposta que me desencalhasse e me recolocasse no presente, era tão doloroso como a causa.

Decidi, não sei quando, relativizar o passado, viver para o agora.

E agora!?

Agora, termino como comecei, o agora é um viveiro de sentimentos e emoções. Sobre o passado esboço um sorriso ingénuo e conciliador, sobre o futuro, ali mesmo à minha frente, deixo-o desenrolar-se devagarinho, sem ânsias demasiadas, porque agora é tempo de viver o momento.

 

Cidália Carvalho

 

03
Abr15

Sem futuro (Agora – 2)

Publicado por Mil Razões...

MulherTristeBracosCruzados.jpg

 

Há o passado. Quando te conheci. Tão nova, tão ingénua, tão crédula de tudo! Sonhadora, tomei decisões (precipitadas ou não, já estão tomadas). Dei passos e escolhi os caminhos a percorrer. Fui contigo.

 

E agora? Agora vejo que investi em vão, sonhei em vão, acreditei em vão.

Mas agora o caminho é este, há que enfrentar as consequências das minhas escolhas. E assumir a responsabilidade dos meus (estúpidos) atos.

Agora sei que não vai haver futuro para nós. Vai apenas haver o eu e o tu, juntos na solidão desta escolha.

E apercebo-me de que não sinto nada em relação a isso. É só um vazio, uma indiferença. Que triste, sentir-me assim, não triste! Qualquer sentimento, mesmo que mau, feio ou negativo, seria melhor do que este não sentir nada.

Agora que me esvaziaste de mim, eu esvaziei-me de ti.

 

Sandrapep

 

01
Abr15

O resto da vida (Agora – 1)

Publicado por Mil Razões...

VelaArde.jpg

 

Agora sou quem sou! Sou o resultado do meu passado e este faz-me falta para perceber quem sou agora e, não seria quem sou, se não fosse o meu passado. Agora sou também aquilo que projeto para o meu futuro, o qual resulta do meu passado (experienciado) e do meu agora. Assim, percebo expetativas para a minha vida futura. Sérgio Godinho já dizia (diz) que “hoje é o primeiro dia do resto da minha vida”. Esta afirmação perspetiva futuro e passado. Futuro, porque hoje é o 1.º dia e, passado, porque o hoje é o resto. Assim, quando se diz “O resto da minha vida”, o futuro é analisado à luz do passado e do agora.

Ao passear na rua, no nosso trabalho, em nossa casa e em outros sítios, cruzamo-nos, muitas vezes, com a frase “o melhor será viver um dia de cada vez”. Tenho dificuldade em percebê-la; faz-me refletir sobre a vivência e a existência humana; confesso até que fico desapontada e triste… não percebo muito bem porquê; dizem-me que, pensando assim, serei mais feliz… será que me dizem para viver aquele dia com muita intensidade – viver o agora com muita intensidade? Colocar tudo no hoje? Como o faço se estiver mal com o meu passado e com o meu futuro?

Por outro lado, o agora, o hoje, não deverá ser avaliado como o “escuro que fica depois de se esgotar a luz de uma vela que desapareceu”. Cardoso (2010) ao falar de depressão realça que esta empurra para o fosso escuro da existência; está-se embaraçado, ancorado, emperrado na marcha para diante. O tempo íntimo (tempo que está dentro da pessoa) está parado, não é capaz de andar para a frente para acompanhar o tempo de fora, o tempo do mundo. Assim, não há passado nem futuro no agora da pessoa deprimida.

“Viver um dia de cada vez”; “hoje é o primeiro dia do resto da minha vida”… sinto-me bem quando percebo o hoje como o primeiro dia do resto da minha vida. Dá um sentido temporal à minha vida; dá um sentido útil ao agora, porque é o primeiro dia e, por ser o resto da minha vida, precisa de ser pensado para preparar o resto; o futuro. Assim, não me permite pensar que o “tempo do agora” é “o escuro que fica depois de esgotar a luz de uma vela que desapareceu”.

O agora parece-me ser um “sítio” de análise complexa. Será dificuldade minha…

 

Ermelinda Macedo

 

Pág. 2/2

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Abril 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde