Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

23
Jul13

Férias, porquê? (Férias – 7)

Publicado por Mil Razões...

 

Essa indagação leva-nos a deduzir que as férias têm também um sentido de recompensa a algo obtido, alcançado ou conquistado, sendo um prémio atribuído com meritocracia e mediante critérios declarados a um vencedor. Os outros, entenda-se os não vencedores, também merecem um prémio de participação dos quais os perdedores conformados (os que aceitaram e digeriram a derrota) são os maiores premiados pelo exercício de autocrítica e reflexão em torno das causas do insucesso e previsão da época seguinte. As férias conquistadas são assim regozijantes que as férias cedidas ou impostas por Lei, calendário ou história.

Na tentativa de classificar as férias com recurso a dois critérios, são eles o tempo ou duração e o contexto ou natureza, permite-me nomeá-las em temporais ou perpétuas, e profissionais ou sociais, designadamente. A sua combinação resulta na designação de férias mais ou menos breves, conjugadas com a razão de sua ocorrência, do que resulta numa matriz de quatro campos. O domínio desta matriz, ainda que intuitivamente, é crucial para o planeamento de sua execução.

Entretanto, se as férias em termos de duração tornam-se extensas, geram o efeito maldição da abundância, que reflete na sua essência um paradoxo. Em sentido oposto, as férias quando tornam-se variáveis económicas funcionam num sistema de restritivo, elevando a racionalização do seu uso e consequente aumento ou melhoria de produtividade. O comportamente humano contribui para o efeito: não raras vezes as férias animam no fim, ou então 10 dias úteis de férias sabem melhor que 30 dias de calenário.

Voltando à pergunta de partida, e cingindo-me na sua essência, a sua enunciação e sentido crítico conferem uma avaliação profunda da atuação dos diversos agentes no pleno exercício de sua atividade. Existirá alguma racionalidade suprema de atribuição de férias relacionada com o desempenho de alguma atividade. É inegável a sua existência, porém, questionável a sua ocorrência num tempo e espaço específico.

No plano de avaliação do resultado das férias contam-se o custo (sacrifício de recursos a para sua realização) e benefício (recompensa obtida dos resultados almejados) e respetivo resultado (valor). A análise do valor das férias é uma técnica que permite avaliar a eficácia e eficiência do valor obtido pela ocorrência de férias, que resulta da comparação entre os custos e os benefícios. A sua validade consciente permite-nos proceder ao balanço das férias como um indicador dinâmico (efeito alavancagem) para o desempenho no exercício seguinte, se considerarmos as férias como um momento de transicção de uma época para a outra.

As férias conquistam-se e fazem-se por merecer. Um dos pressupostos para o gozo de férias plenas e conscientes é saber lidar com os meios e tecnologias de comunicação e informação, por um lado, e com o equilíbrio emocional e autoconsciência, por outro. O equilíbrio entre ambos é uma inequação, enquanto os meios de comunicação e informação permitem mantermo-nos informados das ocorrências de nosso interesse, a autoconsciência atua como julgador em busca de uma razão consciente dos nossos atos diretos e indiretos face as ocorrências captadas e retratadas pelas TIC (tecnologias de informação e comunicação), bem como aqueles outros estímulos (verdades inconsoláveis) que os radares das TIC dificilmente conseguem fazer leitura e retrato fiel.

 

António Sendi (articulista convidado)


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Julho 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde