Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

12
Mar13

Vencedor é aquele que falha (Vencedores – 8)

Publicado por Mil Razões...

 

O que é um vencedor, pergunto-me.

E a resposta chega célere ao meu cérebro, que é um bocado romântico: é alguém que não faz fretes, que só faz coisas de que gosta, que é feliz.

O problema é que o meu cérebro tem um grande antagonista dentro de mim: o coração, que é um chato dos diabos, embora lúcido e sábio, arranja sempre maneira de refutar o que o meu cérebro tem como certo.

Ora bem, o meu coração diz-me que não é bem assim.

Podemos fazer fretes e, ao mesmo tempo, ser felizes – diz ele. – O que é gastar uma tarde de sol fechado em casa para ajudar o filho a fazer um trabalho? E passar horas numa sala de espera de hospital, com o pai?

Podia enumerar mais uma série de fretes que, por amor, muitos fazemos na vida, mas não é necessário... Porque aquilo que o meu coração quer dizer, está dito: sem amor, a felicidade humana não é possível; e é justamente por amor que se fazem as coisas mais chatas... abdicando de outras, mais agradáveis.

Além disso, fazermos aquilo de que gostamos, por exemplo a nível laboral, nem sempre depende só de nós.

Quantos querem passar os dias a escrever e não encontram editora que os publique nem leitores interessados? Quantos fazem teatro e dança, mas também têm de dar aulas ou varrer ruas para comprar o que comem? Quantos pintam, esculpem, desenham, fotografam ou realizam vídeos que largam a um canto porque não têm onde expor o seu trabalho? Quantos fazem cursos de línguas, antropologia, sociologia, psicologia, matemática, e acabam a arrumar produtos nas prateleiras dos supermercados? Quantos sonham com cantigas, com experiências científicas ou corridas de automóveis e ganham a vida atrás de balcões e a servir às mesas? Serão todos estes que nomeei, e outros exemplos inesgotáveis pelo mundo, uns falhados?

O meu cérebro, sempre precipitado, diz:

Se conseguirem ser felizes, acordar todos os dias com um sorriso e fizerem outras pessoas, ao seu redor, também felizes, são vencedores! Mesmo que tenham falhado noutro campo...

A vida não é assim tão simples! – interrompe logo o coração, a armar-se em letrado só porque leu uns poemas e uns romances. – Já o Eça de Queiroz era da geração dos “vencidos da vida”, aqueles que renunciaram aos ideais da juventude para se renderem aos confortos burgueses, não é verdade? Às urtigas com os sonhos de justiça, esperança, liberdade, felicidade! Tudo conceitos vãos e ocos: do que as pessoas precisam mesmo é de dinheirinho para comprar comida e trapos novos, e quanto mais melhor!

E assim lá deita o coração por terra toda a linda teoria cerebral da felicidade, inspirada no budismo, a única religião que promete a felicidade em vida, ao contrário de todas as outras, das judaico-cristãs ao islamismo, segundo as quais é preciso morrer-se para merecer a recompensa da felicidade eterna – e só em caso de boa conduta, sendo a definição de boa conduta tão discutível como as próprias religiões.

O tema é inesgotável, complexo, problemático. E não tenho solução para ele, nem da parte do cérebro, nem do coração. Tenho para mim que o mais acertado é mesmo, como dizia o Nobel que recusou o Nobel, Beckett, “falhar melhor”.

E o que quer isto dizer? Que o importante é não desistir: já se sabe que, por mais realistas que sejam os nossos objetivos, e alcançáveis os nossos sonhos, não nos escapamos de falhar muitas vezes, até conseguirmos o que desejamos. E pode até acontecer nunca conseguirmos.

Mas isso não faz de nós falhados. Ao contrário: de cada vez que nos reerguemos e seguimos em frente, preparados para falhar de novo, somos vencedores. E ainda por cima levamos um pouco mais de experiência às costas, portanto falharemos melhor.

E falharemos melhor muitas e muitas vezes, até morrermos. Seja no amor, na cozinha, no emprego, na ginástica, na arte... À vossa escolha.

Uma nota afinal, apenas, para a arte. Na sua prosa, Fernando Pessoa disse que ela era “essencialmente erro”. E acho que podemos dar-lhe crédito, pois ele, que era outro vencido da vida, empregado de escritório alcoólico e sem amor certo, que morreu antes de publicar 90 por cento da sua obra, percebia bastante do assunto – hoje, ninguém se atreveria a questionar o seu estatuto de artista, não é? Pois: é preciso falhar para vencer, pois somos vitoriosos simplesmente por tentarmos... ser felizes, bem sucedidos, ricos, musculados, criativos, melhores. À vossa escolha.

 

Berta Cem Mil (articulista convidada)


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Março 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde