Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

15
Jan13

A mensagem do desassossego (O que fazer? – 5)

Publicado por Mil Razões...

 

Como habitualmente, Inês chegou cedo à empresa. Gosta de ter tempo para tomar café e dar dois dedos de conversa com os colegas antes de começar a trabalhar. Pousa o saco, tirou o casaco e liga o computador. A atualização das pastas é sempre um processo demorado, aproveita então para se dirigir à copa e tomar café. As conversas, nos últimos tempos, não variam e esgotam-se no processo de reestruturação em curso. Há sempre alguém que conhece alguém que foi contactado para rescindir amigavelmente. Os comentários, os mesmos de sempre mas ainda assim repetidos e enriquecidos com notas pessoais de indignação pela forma como decorre o processo, manifestam pesar e solidariedade para com os colegas atingidos e alívio por os presentes terem sido poupados ao drama do desemprego. Relembram-se os critérios para a seleção dos rescindidos, critérios que ninguém conhece mas que se pensa estarem ligados à antiguidade, às notas de classificação de desempenho e às ausências. Inês dá-os como válidos até porque lhe convém porque não se enquadra em nenhum deles e, com esta confiança, prepara-se para iniciar mais um dia de trabalho.

As pastas do mail já estão actualizadas; o Inbox mostra as novas mensagens por ordem alfabética. A primeira é da Direção dos Recursos Humanos. É tomada por um nervoso miudinho e por um suor frio que a invade e abala a sua confiança. Não quer acreditar. Ela não pode ser apanhada na rede dos desempregados, era demasiado mau. Mas depois de ler o mail, a clareza da convocatória não lhe deixa dúvidas, marcaram-lhe uma reunião para o dia seguinte, para discutir a possibilidade de uma rescisão amigável.

O que fazer? Que decisão tomar? Aceitar o que lhe proporão?

Segundo consta, as condições são muito generosas e muito acima do exigido pela lei. Ainda assim tem medo de encarar o futuro sem emprego.

Não aceitar e permanecer na empresa? Casos houve em que os colegas não aceitaram, mas corre a notícia que, para esses, haverá um novo plano muito mais desfavorável: o despedimento coletivo sem direito a indemnização.

Nada fazia prever que ela tivesse de encarar súbitas alterações na sua vida; não contava com isso. Mais, o que ainda é pior, exigem-lhe que seja ela a decidir como será o seu dia de amanhã, desde que essa decisão vá no sentido da vontade deles e no interesse da viabilização da empresa, claro está. Viabilização da empresa?! Cínicos! A viabilização da empresa está na força do trabalho e ela sempre teve brio profissional, sempre deu o seu melhor. A mágoa dificulta-lhe o raciocínio lógico, o que acabou de ler fragilizou-a demasiado para poder decidir se deve ou não aceitar. Que sabe ela do amanhã para tomar hoje uma boa decisão?

A dor que sente no peito obriga-a a respirar fundo. Controla-se para não gritar a sua indignação. Não sabe o que fazer, sendo certo que não se decidir é uma decisão que não é aceite. Alguma coisa terá que fazer.

Está muito nervosa e sem condições para desempenhar o que se propunha fazer naquela manhã, de resto, como em muitas outras anteriormente, trabalhar com empenho, por isso, e pela primeira vez desde que foi admitida, tomou a decisão de faltar ao trabalho. Encerrou o computador, vestiu o casaco, pegou no saco e saiu, desta vez sem se despedir com o habitual: “Até amanhã”.

 

Cidália Carvalho


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Janeiro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigada pelo seu contributo nesta empreitada de d...

  • Anónimo

    Uma pincelada de amarelo, pelo respeito de quem de...

  • Anónimo

    Mais um texto que mexeu comigo. Maravilhoso. Obrig...

  • Mil Razões...

    As redes sociais não são uma ajuda clínica. Quando...

  • Anónimo

    Tem algum grupo em alguma rede social para acabar ...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde