Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

03
Ago12

Super-homem (Saúde mental – 10)

Publicado por Mil Razões...

 

Lembremo-nos de um homem com vontade de ser Super-homem, vontade de poder e de autotranscendência. No dia 25 de Agosto fará 112 anos que morreu.

Apologista de viver uma vida sem jugo. Saberá o leitor de que falo. Uma vida sem sujeições, sem canga (usada nos bois) nos nossos pescoços, sem condicionamentos.

 

No sábado passado, por volta das 19 horas, enquanto conduzia em direção a Viana do Castelo, a Zirinha, sentada ao meu lado, desabafa sobre as preocupações por que tem passado com o filho mais novo de 10 anos. O Gonçalo não gosta de se juntar aos colegas da turma, não gosta de almoçar com eles. Prefere almoçar sozinho. Perguntei-lhe se o Gonçalo se sentia triste, infeliz? Não, foi a resposta. Ele diz que não gosta dos temas das conversas dos colegas, só falam de certas partes do corpo das raparigas. Bem, perceberá o leitor que não terão sido estas as palavras que ele usou.

 

A acrescentar a este fato, parece ser que o menino não tem bons resultados às disciplinas que não aprecia e tem melhores às que tem interesse. É claro que a atenção de todos está centrada nos fracos resultados. Um dia foi parar à direção da escola. Contou aos ditos colegas que ia incendiar a casa e matar toda a gente. Grande celeuma! Juntaram-se elementos da direção, a psicóloga da escola, os colegas, todos a tentarem perceber o que estaria por detrás de tal conto. Perante a mãe, ao jantar, referiu que os colegas da turma são todos uns totós porque acreditam em tudo o que lhes é dito, por exemplo na história do incêndio que vira na televisão. Fora um teste. É claro que falhara aqui algo que não vamos dissecar.

 

Depois de várias visitas, durante meses, a duas psicólogas e uma pedopsiquiatra chegaram à conclusão que está tudo bem com o menino, com capacidades de raciocínio acima da média e com algumas dificuldades ao nível da gestão das próprias emoções e das relações sociais. Tem interesses muito particulares e muitos desinteresses. Talvez fosse bom tentar desenvolver no Gonçalo outros gostos, aconselharam. O Gonçalo depois de muitas perguntas ainda percebeu porque teve de ir tantas vezes ao médico. Ele sente-se muito bem. Está feliz! Agora os outros, esses parecem preocupados com a vida e com o comportamento do Gonçalo.

Como estará a saúde mental do Gonçalo? Talvez a pergunta devesse ser: como está a saúde mental do Gonçalo na ótica do conselho pedagógico da escola do Gonçalo?

 

Voltemos agora ao nosso polémico pensador. Em jeito provocatório, coloco a questão: poderemos deixar de lado as convenções sociais e as convicções e a moral?

 

Sabemos que precisamos da ciência e que, felizmente, tem ajudado imensas pessoas, tornando-as funcionais e mais felizes. Sabemos que precisamos de um ponto de partida, uma linha condutora, regras, mas têm de ser rígidas, tem de haver rótulos e verdades absolutas? Faria sentido reavaliar os atuais ideais ou criar novos? Há que compreender e aceitar a diferença e integrar, integrar, e criar novos modelos de, por exemplo, educação, não rotular e forçar a inclusão. Porque tem de ser o Gonçalo a adaptar-se ao modelo? Porque não providenciar um modelo que se adapte à individualidade, à singularidade do menino? Imagine o que sofrerá para terminar o ensino obrigatório.

 

Que opinião teria Friedrich Wilhelm Nietzsche (15.10.1844 – 25.08.1900) da Saúde Mental em Portugal em 2012?

 

Ana Teixeira


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Agosto 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

  • Alexandra Vaz

    Obrigada eu, pela partilha. Forte abraço.

  • Anónimo

    Obrigada pelo seu contributo nesta empreitada de d...

  • Anónimo

    Uma pincelada de amarelo, pelo respeito de quem de...

  • Anónimo

    Mais um texto que mexeu comigo. Maravilhoso. Obrig...

  • Mil Razões...

    As redes sociais não são uma ajuda clínica. Quando...

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde