Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

19
Jun12

Sim, não sou mal-educado (Vida virtual – 10)

Publicado por Mil Razões...

 

Quando surge a palavra virtual geralmente pensamos, de imediato, em computadores, em informática, em Internet, em mundo paralelos criados pela tecnologia, num futuro cheio de luzes a piscar e de écrans de alta definição cheios de movimento, em 3D, em 4G, em todas as parelhas possíveis de número e letra. Olhamos para o virtual com algum fascínio e com alguma retração, receando não sermos capazes de acompanhar tanta mudança e tão rápida.

Mas procuremos o que significa a palavra “virtual”. Simplificando, virtual significa o que não é real, embora possa, eventualmente, vir a sê-lo. Daqui poderemos concluir que muito do que a tecnologia nos trás, afinal, é real e não virtual. Por outro lado, muito do que está fora da tecnologia, muito do que nada tem a ver com ela, é virtual.

Alguns dos dramas do ser humano ligam-se ao virtual, mas não à tecnologia. Muito do sofrimento humano provem de a pessoa se desligar da realidade circundante, por não a perceber, por não a aceitar, por não saber/conseguir lidar com ela. E este afastamento da realidade pode mesmo atingir níveis patológicos.

Mas será um erro pensar que o afastamento da realidade, a existência num mundo virtual se passa apenas ao nível da pessoa, do individual. De facto, a sociedade, como conjunto, por razões diversas, nomeadamente culturais, económicas ou políticas, produz mundos virtuais. Proponho a reflexão sobre duas dessas produções, na sociedade portuguesa. A primeira delas tem razão financeira/política e consistiu em andarmos, durante algumas décadas, coletivamente convencidos de sermos ricos, de que tudo estava ao alcance de todos sem ser necessário trabalhar, sofrer, gerir. A segunda tem razão cultural e consiste em termos distorcido o conceito de boa educação ao ponto de termos criado um antagonismo entre esse conceito e a palavra “não”. Em termos práticos este antagonismo impede-nos de dizer “não”, para não sermos mal-educados.

Na prática:

- A menina, num corredor do shopping, propõe a marcação de uma consulta gratuita para verificar o estado dos meus dentes. Eu, apenas para não ser mal-educado, sobre tudo porque a menina está a trabalhar, marco a consulta, embora não faça a menor das intenções de lá por os dentes. E se telefonarem na véspera a pedir confirmação, eu digo logo que sim, para não parecer mal-educado, até porque esta menina também está a trabalhar. Faltar a uma consulta, depois de a confirmar, tirando a vez a outra pessoa e desperdiçando o tempo de quem, por estar a trabalhar, fica à minha espera, não é má educação – é...

- Os meus pares, num grupo a que pertenço, pedem a minha colaboração, o meu trabalho, o meu contributo para levar a cabo uma tarefa. Eu, para não ser mal-educado, até porque aquilo é gente do melhor, empenhada e esforçada, digo logo que sim. E vou confirmar o meu esforço e contributo as vezes que for necessário, sempre em grande euforia. Claro que vão acontecer oitocentas e quinze coisas “de loucos” que vão ocupar-me por completo e deixar-me cansadíssimo e vão impedir-me de fazer o que prometi, deixando toda a gente pendurada e, eventualmente, com o prejuízo de alguém. Eu até posso não voltar a lá por os pés e não ver mais aquela gente (no fundo uns chatos fundamentalistas), mas por mal-educado é que eu não passo. Má educação teria sido dizer “não” quando solicitaram o meu contributo e isso, comigo, nunca.

 

Agora e para terminar, juntemos a mania coletiva de sermos ricos e este conceito distorcido de educação que nos impede de dizer “não”. Juntemos mais ingredientes. Temos Portugal versão 2012, encravado entre o virtual e o real.

 

Fernando Couto


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Calendário

Junho 2012

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Comentários recentes

Ligações

Candidatos a Articulistas

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde