Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

15
Mai12

Concorrência no meu setor (desEmpego – 13)

Publicado por Mil Razões...

 

Nas notícias informam que a minha área (Informática) neste momento não está a sentir tanto a crise, como outras áreas (professores de línguas, história, contabilidade, enfermagem, psicologia, ...), contudo não existe só concorrência com pessoas com as mesmas competências que eu:

  • os empregadores escolhem técnicos com o 12º ano, recém-licenciados para estágios curriculares, IEFP ou profissionais
    • para pagar pouco e obrigá-los a trabalhar com mais exigência, para tentarem fazer o trabalho de um licenciado
    • colocam os colaboradores com mais experiência a orientá-los e a ensinar quase todos os processos de uma tarefa... O colaborador antigo fica assoberbado de trabalho porque além das suas tarefas também tem de orientar outra(s) pesssoa(s)
    • os empregadores que querem otimizar os processos também escolhem pessoas:
      • da área de matemática, matemática para a tecnologia para a otimização de cálculos
      • que a maioria das vezes não compreendem a funcionalidade das plataformas ou o básico de uma linguagem de programação
  • gestores ou economistas para a a gestão de projetos
    • a maioria não sabe a área de negócio, programar tarefas... propondo muitas vezes tempos irrealistas para um tarefa... e o trabalhador desgasta-se a tentar cumprir o exigido
    • quando algo acontece errado, não tenta perceber o processo da tarefa que ocorreu mal ou o porquê e coloca a culpa no colaborador abaixo
  • designers ou arquitetos para o desenvolvimento do site

Muitas vezes percebo a opção de escolher uma pessoa de outra área para enriquecer o projeto, mas a maioria das vezes, os empregadores não pensam:

  • no custo total do projeto ao contratarem pessoas menos qualificadas para a tarefa, pensando só, que de uma maneira ou outra vai ficar realizada. Nem que os novos colaboradores precisem de orientação e isso implica que outro(s) colaborador(es) tenha(m) de dar assistência
  • que 8h diárias é o tempo pago para um dia de trabalho
    • mais do que isso, deixa o trabalhador cansado, precisando de mais tempo para elaborar uma simples tarefa
    • a maioria dos empregadores não paga hora extras, mas sente-se na obrigação de as exigir gratuitamente, em tempo de crise
    • como é que uma pessoa pode tirar um curso para melhorar conhecimentos, se trabalha às vezes 14h a 16h por dia?
    • como é que uma pessoa pode ficar motivada, vendo o salário a baixar e a exigência a aumentar?
    • Por exemplo, a minha hora de saída num trabalho era às 18h e eu costumava sair sempre depois das 18h30 … 20h (habituei-os mal, eu sei) e um dia saí às 18h certas... o patrão veio logo perguntar, "Já vai?", e eu respondi "Sim, não tenho nenhuma tarefa pendente e estou na minha hora".... mas não foi bem visto
    • Também já me aconteceu sair sempre depois do meu horário de trabalho estipulado, e noutra empresa às 20h, o chefe (que chega e sai às horas que lhe apetece) veio perguntar-me "Então, já vai sair?". E eu respondi "Sim, e já vou tarde!"
    • Uma vez já estava a apanhar o transporte público, por volta das 21h, e recebo uma chamada, no meu telemóvel pessoal, a exigir que fosse terminar uma coisa, que não era muito importante, mas tinha sido um pedido de um amigo...

E com estes sacrifícios e ainda mais... fiquei desempregada.

 

Sousa

in Informação relevante


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Maio 2012

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde