Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

27
Mai11

Agora, mais do que nunca (O sentido da vida – 4)

Publicado por Mil Razões...

 

Numa dimensão cósmica, sei que a minha existência tem uma razão de ser, embora não seja capaz de a perspectivar em toda a sua dimensão, na medida em que o meu campo de visão é apenas humano. Percebo somente que sou parte integrante de um sistema universal e que tenho uma missão a cumprir. Se me conseguir dedicar plenamente a esta tarefa, será a obra de uma vida.

Na minha perspectiva, o que dá sentido à minha vida são todos os pequenos momentos que constituem o meu dia-a-dia. Para mim é importante viver o momento presente, tirar partido deste momento. Se for um momento feliz quero sentir prazer em vivê-lo, numa circunstância infeliz será um desafio que tenho pela frente. Sei que sou um ser único e complexo, como cada um de nós, e como tal devo conhecê-lo e explorá-lo o máximo que puder, visto que esta é uma oportunidade única. Apesar dos mais diversos sofrimentos que a vida possa trazer, gosto do modo como encaro a minha vida, sinto-me bem com a forma como a vivo e, implicitamente, esta é a moeda de troca que encontro para agradecer tudo o que a vida me dá. Tive a sorte de ter nascido onde nasci e quando nasci, livre de ser quem sou… podia ter nascido no Paquistão ou na Somália, penso que em ambos os casos, neste momento, teria boas razões de queixa. Se tivesse nascido há cinquenta ou cem anos atrás, provavelmente não usufruiria um terço do conforto com que vivo actualmente; o que não impede de ouvir muitas histórias felizes dessa época...

 

Considero que é importante pensarmos duas vezes antes de nos queixarmos. É verdade que as injustiças existem e sempre existiram, não apenas na nossa rua, no nosso quarteirão ou no nosso país. Se este mundo fosse justo, não teriam já morrido à fome várias dezenas de pessoas (adultos e crianças), desde o momento em que comecei a escrever este texto. Esta é uma realidade crua que conhecemos, reconhecemos, mas que acaba por não nos afectar porque não incide no nosso dia-a-dia, simplesmente temos a sorte de nem sabermos verdadeiramente que realidade é essa. Obviamente não podemos mudar o mundo, mas podemos fazer a nossa parte, aquela que está ao nosso alcance, e que começa por dar à nossa vida o sentido que ela merece.

No país e na época em que vivo, na sociedade em que estou inserida, correndo o risco de destoar das correntes actuais, faço questão de hoje usufruir da minha liberdade e escrever publicamente que sou feliz aqui, no país onde vivo. Ultimamente, os meus hábitos podem ter mudado, os meus orçamentos reavaliados, mas não é por isso que o sentido que dou à minha vida se denegriu. Agora, mais do que nunca, tenho consciência do que é realmente importante e tenho vontade de lutar e trabalhar, agarrar-me à vida e às oportunidades que ela me oferece.

 

Estefânia Sousa

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Maio 2011

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde