Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

26
Abr11

Os anos mais tardios (Idade Maior – 8)

Publicado por Mil Razões...

 

Quando começa oficialmente a velhice? Será aos 65 anos? Porque é que tu estás a envelhecer?

 

As “teorias da pré-programação do envelhecimento” referem que existe um tempo limite interno para a reprodução de células e que a determinada altura esta cessa. Ocorre então uma “auto-destruição” na biologia interna do corpo (Hayflick, 1994). Por outro lado as “teorias do desgaste” sugerem que as funções mecânicas do corpo deixam de se realizar muito à semelhança do que ocorre com uma qualquer máquina. Pode, por um lado, assistir-se ao processo de “caramelização” ou “glicosilação”, em que os açúcares em excesso se juntam às proteínas das células dando origem a uma camada pastosa que bloqueia as artérias e enrijece as articulações. Por outro lado, a acção dos “radicais livres” que são moléculas instáveis de oxigénio produzidas durante o funcionamento normal celular e que andam à deriva dentro das células, danificam-nas.

E como é que queres envelhecer? Podes escolher! Há várias teorias entre as quais a “teoria da desengrenagem do envelhecimento” que sugere o processo de envelhecimento como uma retirada gradual do mundo a vários níveis, físico, psicológico e social (Cummings e Henry, 1961). Com menos energia há necessariamente menos actividade. A atenção é redireccionada do exterior para o interior e da sociedade para o próprio. Pode ser, com certeza, perspectivado como muito positivo para muitos. Uma etapa de reflexão e de introspecção.

Em alternativa a “teoria da actividade do envelhecimento” refere que as pessoas mais felizes são as que se mantêm mais activas. É claro que, salvaguardando as devidas diferenças individuais, a actividade por si só não parece ser garante de muito. Antes, a natureza da mesma parece fazer a diferença.

 

Teorias à parte, até ao momento parece não haver fuga possível a este processo que pode ser pessoalmente sentido ou vislumbrado como severo e penoso ou suave e sereno. Pode ser abordado de forma mais técnico-científica ou filosófica. Mas atenção, não te enganes! Assim como não há passado, não há, de facto, futuro! Só tens mesmo é o frágil presente. Sim, garantido é mesmo este momento. Como “dizia” Robin Williams: Carpé Diem! Aproveita-o! Faz com que, quando olhares para o caminho percorrido, seja com satisfação e tenhas um sentimento de realização, de preenchimento e de orgulho. Só tu sabes como conseguir isso! A tua missão é, a partir deste momento, tornar a tua vida extraordinária e contribuíres para que outra qualquer pessoa também sinta que continua a existir esperança. Experimenta pequenas grandes coisas como um sorriso, uma palavra, um olhar!

Odes (I, 11.8) do poeta romano Horácio (65 -8 AC):

“Tu não procures… encurta a esperança, pois a vida é breve. Enquanto falamos, terá fugido ávido o tempo: Colhe o instante, sem confiar no amanhã”.

 

Ana Teixeira

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Abril 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde