Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

14
Ago09

O Duelo (Sentimentos e Emoções – 11)

Publicado por Mil Razões...

 

 

Na enfermaria, o som do televisor impõe-se abafando algum queixume de um ou outro doente mais sofrido. As imagens que se sucedem ajudam os doentes a não pensar, aliviam o sofrimento.
Com ele é diferente, esta diversão não resulta. Em boa verdade nem se dá conta do lugar onde está; estar ali, em casa ou em qualquer outro sítio é-lhe indiferente. Não quer estar em lugar nenhum.
O seu olhar fixa-se na janela da enfermaria. Está muito perto, porém é incapaz de percorrer essa distância que o ligaria ao mundo. As pernas recusam-se a mexer, ao seu corpo inerte falta-lhe vontade, comando. Ir até à janela exige ânimo. Ânimo, é a alegria de que precisa para expulsar a tristeza que o mata. Mas, para ele, ser alegre não é fácil. Se ao menos acreditasse que existe uma felicidade eterna!... Mas de eternidade, a única coisa que conhece é a tristeza que teima em estar. Leu algures que a alegria não está nos outros nem nas coisas, a alegria está em nós, temos que procurá-la no nosso interior. Procurar em nós?! Mas onde e como pode procurar-se uma coisa que não se conhece?
 
- Então João, é hoje que aceitas sair comigo? Se quiseres até peço autorização para passear contigo sem bata, fico mais bonita. Vamos dar uma volta no jardim?
Olhou-a sem entusiasmo. Não rejubila com estas manifestações de carinho e isso ainda o entristece mais. Se ao menos conseguisse sorrir-lhe, ainda que um sorriso triste!... Mas triste mesmo, é ele não ter sorriso.
Se alguma vez conseguir sair daquela prisão será com ela que dará o primeiro passeio pelo jardim; é-lhe devido esse prémio. A enfermeira Ana esforça-se, nota-lhe uma preocupação autêntica e tem esta maneira engraçada de tentar estimulá-lo.
 
- Pode morrer-se de tristeza?
A pergunta sai-lhe sem a sua autorização. Não devia preocupá-la ainda mais...
A ela, não a apanha desprevenida. Lembra-se, quando andava a tirar o curso, de ter estudado casos em que os bebés, por não receberem afecto e carinho, por falta de colo, entram num marasmo que, lentamente, os vai matando. Na sua vida profissional já acompanhou outros casos em que as pessoas por inércia se deixam morrer.
A resposta à dúvida que ele não tem é dura mas verdadeira.
- Então, porque não morro eu?
- Porque eu não quero! Tudo farei para que vivas!
Antes de se afastar ainda lhe sorriu carinhosamente.
 
Fecha os olhos, recolhe-se ainda mais no seu íntimo, mas desta vez não para se isolar do ambiente que o rodeia, mas para saborear o ligeiro adocicado daquele sorriso.
No seu isolamento consegue ver que a alegria afinal tem um lugar dentro dele, está ali mesmo em frente à sua tristeza. Enfrentam-se num duelo em que a última tem levado a melhor sobre a primeira, provavelmente continuará a ser assim, mas neste momento a distância que o separa da alegria ficou ligeiramente encurtada.
 
Cidália Carvalho
(A todas as enfermeiras, em especial à minha amiga Ana Rita)
 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Calendário

Agosto 2009

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde