Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

23
Mai09

Bons, maus, ou nem por isso...

Publicado por Mil Razões...

 

Nos últimos tempos temos assistido, de uma forma algo voyer, a casos ocorridos nas salas de aulas portuguesas, que foram gravados e que posteriormente amplamente difundidos e comentados na comunicação social.
Ora até aí, parece que nada de anormal há neste processo, no entanto e não querendo retirar a gravidade dos casos difundidos, parece-me que por vezes somos muito rápidos nos julgamentos que fazemos dos actores destas tramas e esquecemos toda a envolvência destas situações.
 
Quando lia o editorial do Destak, da autoria da Isabel Stilwell, não pude deixar de ficar admirado com a rapidez com que colocamos etiquetas às pessoas, tendo por base um determinado momento das suas vidas, como se esse momento espelhasse toda a personalidade e toda a história de uma vida.
Talvez por (de)formação académica não consegui ficar confortável com a etiqueta de mal educada que a referida autora do editorial colou à professora que, por estes dias, anda na boca do mundo (e não, não sou professor, nem para lá caminho).
Posso estar a ser inocente ou ingénuo, mas acredito que por trás das atitudes daquela professora, mais do que má educação ou simples maldade, como alguns também disseram, encontra-se uma pessoa em sofrimento e com um nível preocupante de desequilíbrio psico-emocional. Custa-me crer que aquelas atitudes sejam de uma pessoa que esteja mentalmente equilibrada, pelo que me parece que perdemos demasiado tempo e recursos a julgar aquela professora e pouco a procurar as razões por trás deste comportamento, ou formas de evitar que aquele tipo de comportamentos se repita no futuro.
 
Num estudo sobre professores ingleses, o autor refere que 77% (sim, 77%) das baixas prolongadas devem-se a problemas do foro psicológico, como irritabilidade, ansiedade, debilidade nervosa, depressão, etc..
Um outro estudo inglês refere que 30% dos professores sofriam de níveis elevados a severos de perturbações mentais, que estavam positivamente relacionados com stress profissional.
Em Portugal, um estudo de 1983 do Sindicato dos Professores da Grande Lisboa referia que mais de 50% das consultas clínicas se deviam a queixas relacionadas com stress de origem profissional. Mais recentemente, Pinto e colaboradores chegaram à conclusão que da amostra de professores estudada, cerca de 30,4% encontrava-se em elevado risco de atingir um nível pleno de burnout (ou desgaste psico-emocional).
 
Todas estas referências têm apenas o objectivo de demonstrar que os professores são uma classe profissional muito propensa a sofrer um desgaste físico e emocional extraordinário e que por outro lado é urgente providenciar medidas preventivas para os proteger, evitando os níveis assustadoramente elevados de doenças mentais, protegendo ao mesmo tempo o ensino e acima de tudo a própria integridade física, emocional e mental dos alunos que com estes professores lidam no dia-a-dia.
 
Alexandre Teixeira
 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Maio 2009

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Mil Razões...

    Quando nos sentimos mal, física ou emocionalmente,...

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde