Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

12
Mai09

Retrato de sentimentos

Publicado por Mil Razões...

 

Numa tela em branco, pincelada após pincelada, vai-se dando formas a um estado de alma traduzido em cores, traços e riscos.
Carregando-se mais no azul para que se possa percepcionar a agitação das águas que se tenta recriar. O preto serve para dar formato as âncoras que se vêem presas a uma silhueta humana. Preto e mais preto agarrado a cada membro de um corpo demasiado franzino para segurar tanto peso.
A vida tumultuosa e imprevisível é representada por um mar revolto e encrespado, os constantes e permanentes obstáculos ganham o contorno de ondas.
Sob a aparência de uma pequena e discreta “mancha” consegue-se vislumbrar o lugar que se pretende alcançar. O possível oásis onde se possa saciar a sede, matar a fome e conquistar a tranquilidade.
 
Com tons pálidos, o esboço de um ser humano salienta-se, um rosto sem definições, sem características particulares. Vê-se o significado da sobrevivência, traduzida em braçadas constantes para conseguir manter um corpo demasiado fraco, com demasiado peso, à tona. Esse rosto, esse corpo pode ser de qualquer um, pode ser meu, teu, dele ou daquele! Quantos de vós já se sentiram a afogar, a perder a força e a querer desistir?
Já alguma vez se sentiram no meio de um oceano, sabendo que para sobreviver teriam de nadar sem parar, vencer o cansaço, o medo, e ainda suportar o peso de âncoras amarradas a cada uma das pernas e cada um dos braços? Tiveram de boiar e descansar para recuperar forças, fôlego, para logo em seguida, após algumas braçadas fortes, se sentirem novamente cansados e impotentes para prosseguir um milímetro mais.
A solução foi-vos dada pela razão: tinham apenas de desamarrar as âncoras e deixarem-nas escorrer até as profundezas. A indecisão foi-vos ditada pelo coração, quando continuaram e persistiram em alcançar a tal “mancha” sem se desfazerem do peso de uma âncora que fosse. A teimosia, o orgulho, a estupidez, a inocência, o carinho, o amor foram verdadeiros ditadores!
Debateram-se mais e com mais força que a própria fúria de Neptuno num dia de tempestade! Resistiram e persistiram estoicamente, sentiram que nadavam em círculos, sabiam que perdiam tempo e mesmo assim continuaram em insistir? Insistiram em não abrir mão de pesos que já se encontravam mortos e a possibilidade de os salvar há muito tinha-se extinguido!
Tudo porque teriam que admitir que perderam, que se perderam - a vida, o conteúdo, o valor, o significado, o sentimento que aquelas âncoras representavam!
 
Sem saberem distinguir se o sabor a sal que sentiam na boca seria das lágrimas ou da água que vos ameaçava afogar, tiveram de largar, de desistir, e de esquecer os motivos que vos levaram a tentar salvar a todo o custo umas âncoras que, um dia, tiveram a forma de um bonito sentimento e os contornos de um sonho.
Sentimentos, sonhos que poderão ter a forma de âncoras para mim, para ti, para ele ou para aquele.
 
Numa última pincelada termina-se a tela com todas as cores, todos os traços e riscos que representam um estado de alma quando se termina uma história.
 
Susana Cabral
(Imagem: Barcos Holandeses na Tempestade, de J. M. W. Turner)
 

4 Comentários

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Maio 2009

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Sandra Pereira E Pinto

    Concordo plenamente com a frase em que diz que tod...

  • Anónimo

    Só quem vive com essas diferenças sabe dar valor e...

  • sandra

    Anotação Não te aproximes demasiadodeixa espaço pa...

  • Mil Razões...

    Quando nos sentimos mal, física ou emocionalmente,...

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde