Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

31
Dez13

Dentro de cada um (Liberdade – 18)

Publicado por Mil Razões...

 

- Senhor, peço desculpa, mas quero pedir-Vos uma coisa.

- Pois pede; sou todo ouvidos.

- Quero ser livre.

- Queres ser livre!?

- Sim, Senhor, quero ser livre. Concedeis-me a minha liberdade?

- Mas como será essa a tua liberdade? Como queres que ela seja?

- Quero poder agir de acordo com os meus sentimentos e desejos, de acordo com o amor e a obediência que Vos devo, de acordo com o respeito e o amor que tenho a todas as outras pessoas. Quero ser respeitado na pessoa que sou e pela pessoa que sou, na forma como ajo, naquilo que faço, na forma como conduzo a minha vida. Quero poder dizer sim e poder dizer não, de acordo com a minha vontade e com aquilo que, em cada momento entendo como adequado e razoável para o bem de todos. Quero poder afastar-me de pessoas e de lugares, e aproximar-me de outros, e aos primeiros voltar, e sentir o prazer de ir e de voltar e de estar. Quero gostar de quem gostar. Quero que gostem de mim. Quero amar quem amar. Quero que haja alguns que me amem. Quero ser de Vós e do mundo e das pessoas. Quero poder dar-me sem medos, sem limites, senão os da minha vontade e da minha capacidade. E se num momento não tiver vontade, quero ficar apenas em mim e na companhia de Vós. Compreendeis. Senhor?

- Sim, compreendo-te.

- Então, Senhor, poderei ter a minha liberdade? O que é necessário para que eu possa ter a minha liberdade, para que eu possa ser livre?

- Mas tu és livre! Eu libertei-te, há muito tempo, desde sempre, de tal modo que já nasceste livre.

- Mas sou livre como, Senhor? Não sou entendido, nem aceite, nem respeitado. Parece que por mais que faça, mais longe estou dos outros e da minha liberdade. Estou sempre a ser observado e analisado e criticado. Esperam coisas de mim às quais nunca corresponderei pois não sei o que querem; e mesmo se soubesse, não sei se seriam também da minha vontade. Falam de mim como se eu espalhasse o mal por todos, devagarinho. Exigem sempre que faça isto e que diga aquilo e que esteja calado face a aqueloutro. E eu tenho medo, medo de dizer, do que digo, de como digo, e do que não digo. Medo de fazer, do que faço, de como faço e do que não faço. Contrapõem o que digo com coisas que entendem que eu quero dizer. E eu tenho medo desse confronto, pois eu apenas digo e não quero nunca dar outros sentidos ao que digo. Tenho medo da perda de dignidade sempre que há um desacerto destes; e eu vivo nestes desacertos. Senhor, como é que eu sou livre?

- Entendo a tua angústia. Suponho que em diversos momentos ela se transforme em desespero. Mas tu és livre! E do que acabaste de dizer, eu confirmo que és um Homem livre! Como poderias ser tu mais livre? Como poderia a tua liberdade ser diferente?

- Não sei, Senhor… Mas eu necessito de ser livre.

- Para um pouco. Pensa comigo. Quem é que não é livre? És tu que não és livre, ou são essas pessoas com as quais te debates que não são livres? Será livre aquele que tira a liberdade ao outro?

 

Fernando Couto

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Dezembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde