Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

10
Dez13

Liberto do calvário (Liberdade – 9)

Publicado por Mil Razões...

 

A LIBERDADE é um estado transitório que medeia o indivíduo e suas necessidades face ao quadro de soluções acessíveis no contexto, mediante regras instaladas para regular a sua inserção e atuação. Impera que, sendo a liberdade uma dádiva de Deus, em condições normais adquire-se com a vida e abandona-se com a morte.

Ser livre é ter a oportunidade de se libertar da dependência ideológica que o funcionalismo sistémico impõe de forma rotineira em sistema de vasos comunicantes, quando o indivíduo encontra-se privado de ser ou de estar independente para agir em sua livre consciência e espontânea consciência.

No plano operacional, a liberdade é um instrumento bélico que de acordo com o seu uso pode contribuir para a geração de valor e benefícios próprios, a liberdade marginal gera externalidades sempre que a liberdade de uns afeta a dos outros numa vivência em sociedade.

O elemento crítico que contribui para a convivência de liberdades individuais sem criar interferência no equilíbrio relacional, diminutiva ou aumentativa, é o bom senso, que sugere o respeito mútuo, aceitação das diferenças, autodomínio e auto-superação.

A liberdade é assim um bem em constante mutação, no ciclo de vida do Homem, ocorre uma sucessão de liberdades que se abdicam para delas conquistarem-se outras. A liberdade elementar trazida pela vida é um bem inalienável, um ativo em estado bruto, a sua aplicação criteriosa e em condições favoráveis na satisfação de necessidades e consecução de objetivos próprios pode torná-lo um ativo único.

Das várias privações que se podem arrolar, eventualmente, a ideológica e de expressão, sejam as mais incisivas. Se o pressuposto primário da filosofia é a capacidade cognitiva do Homem, René Descartes na sua célere aceção Cogito, ergo sum, lançava as bases para o papel da filosofia enquanto ciência mãe, a necessidade da crítica e autocrítica, o questionamento contínuo como primazia para a renovação do Homem. O saber pelo saber e pelo questionamento são métodos científicos válidos para a aprendizagem contínua, um verdadeiro bem ou recurso livre.

Apesar da virilidade do conhecimento percecionada pela rigidez das fontes de acesso a informação serem limitadas e nem sempre acessíveis, entenda-se que a privação do conhecimento não é em si um destino do Homem, este pode e deve-se valer de sua humildade e sede do saber para superar barreiras impostas ao alcance de sua própria liberdade. A luta pela independência é secular e legitima a reivindicação dos direitos que a subjugação pode condicionar.

 

António Sendi


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Calendário

Dezembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde