Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

17
Set13

Apologia da ignorância (inFormação – 10)

Publicado por Mil Razões...

 

As pessoas, assim que dominam o raciocínio abstrato, filosófico, político e crítico, entram na vida adulta. Para trás fica um percurso tortuoso, muito dependente da quantidade e da qualidade dos estímulos recebidos, em que os primeiros quatro, cinco, vá lá, seis anos de vida são de formação e os restantes de informação. Por outras palavras, neste início de existência fica determinada, grosso modo e à parte a herança genética, a forma como cada um será em termos de extroversão, liderança, perseverança e demais traços que constituem a personalidade, principalmente na sua vertente afetiva. Daí em diante a informação será acolhida numa estrutura identitária que a processa e acondiciona devidamente, à maneira de cada um.

Apesar de estarmos em constante formação, à medida que crescemos, vamo-nos tornando cada vez menos permeáveis a alterações de fundo e o mundo vai-se-nos afigurando como um lugar cada vez mais conhecido e controlável: já não encontramos surpresas em cada canto. Vamos diminuindo o tamanho do ponto de interrogação que paira sobre as nossas cabeças.

Este conhecimento do mundo pode construir-se de duas maneiras: ou aceitando pacificamente e como verdadeira a informação que nos vai chegando, ou assumindo uma postura questionadora sobre a forma como esse conhecimento do mundo nos é transmitida. A primeira é perigosa, porque depende muito da credibilidade das fontes de informação. A segunda é cautelosa, trabalhosa e progressiva, mas confere uma sabedoria mais abrangente.

No entanto, será que interessa conhecer os assuntos em profundidade? A resposta a esta pergunta remete-nos para o conforto e a segurança: há certos temas cujo conhecimento convém ficar pela rama para conferir conforto, segurança e ausência de conflito. Assumir posições ou ideias implica o dispêndio de energia que nem sempre estamos dispostos a empenhar. A quantidade de informação que ultrapasse certos limites, prejudica a nossa tranquilidade. Afinal somos apenas humanos. Exemplos disso encontram-se facilmente em torno de conceitos subjetivos ou relativos à crença. Não é fácil definir a felicidade à medida que se aprofunda esse conceito. Não é fácil falar de cristianismo quando a conversa resvala para os tempos da Inquisição.

A formação de cada um faz-se na direta proporção entre aquilo que se recebe do mundo e aquilo que se aceita. Uma postura acrítica é capaz de gerar mais "felicidade" do que uma postura cética. Mas também gera maior vulnerabilidade e dependência, na medida em que a informação utilizada é quase exclusivamente produzida no exterior da pessoa. Uma postura crítica constrói opiniões próprias, cria responsabilidades e dores de alma. Compromete a "felicidade" e a crença, ao mesmo tempo que protege de influências intencionadas. Discutir a política do país, o funcionamento das instituições, a organização e o funcionamento da sociedade pode ser arriscado, mesmo nos dias de "liberdade" que correm e, acima de tudo, pressupõe um olhar atento sobre o mundo que nos rodeia. Às vezes, é bem mais simples deixarmo-nos ficar no conforto que a ignorância nos dá.

 

Joel Cunha


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Setembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

  • Anónimo

    Oh, minha querida. Nunca saberei a dimensão da tua...

  • Anónimo

    Ana, deve ser tão difícil...a experiência de morte...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde