Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

02
Jul13

Como sair de nós próprios? (Férias – 1)

Publicado por Mil Razões...

 

 

Quando penso em férias, penso num ambiente em que não tenha que pensar em nada do que me faz pensar e repensar, ou seja, a vida profissional, a vida pessoal no que se refere a problemas domésticos do quotidiano, como avarias, contas a pagar, saúde…

Isso existe? Se calhar não. A solução seria sair de nós próprios, pois continuamos a ter a mesma profissão e a mesma vida pessoal quer estejamos aqui ou no outro lado do mundo de férias. Fazer uma pausa de 15 dias, mais ou menos, pode ser utópico apenas.

Pelo que tenho experienciado de férias, dou por mim sempre a pensar no que ficou e, mais ainda, no que terei que fazer quando voltar, no que posso melhorar, o que corre mal e no que posso mudar. Isto é saudável, na minha opinião. Mas até que ponto é que poderemos chamar de férias? Ou serei eu uma trabalhadora compulsiva, algo de crónico? Claro que me divirto nesses dias, fazendo o que normalmente não faço, mas o pensamento está entre lá e cá.

O que me tem mesmo invadido o raciocínio sobre as férias e tempos de folga, tem sido a minha nova teoria de que qualquer manhã, tarde ou hora, pode ser vivida com o sentido de férias. Por exemplo, as horas de almoço, em vez de serem a correr, a pensar que temos que despachar isto e aquilo para o dia acabar mais cedo ou para não deixarmos para outro dia ou para não acumular trabalho (laboral ou não laboral), poderemos vivê-las na totalidade como horas de folga. O primeiro passo seria sair do espaço físico do trabalho, caminhar um pouco, ler algo que nada tivesse relacionado com o trabalho. Se não for possível sair do espaço físico laboral, mudar de posição, tentar olhar para algo diferente que não costumamos olhar enquanto trabalhamos, como as plantas, leituras diferentes… Aproveitar também para conversar com outras pessoas que não sejam colegas de trabalho. Se tal não for possível, falar com os colegas de trabalho que realmente consigam conversar sem ser sobre trabalho.

Tenho lido alguns artigos sobre o empreendedorismo, atitude positiva para o sucesso e liderança e todos convergem para a ideia de nos afastar de pessoas tóxicas. Este adjetivo parece bastante… elitista, mas a ideia que se pretende transmitir é que nos devemos afastar de pessoas e situações que, em vez de ajudar como pretendem, levam-nos para comportamentos condicionados em conformidade com algo que nos faz tensão. Colegas de trabalho que não conseguem falar sobre outro assunto que não o trabalho dão essa tensão se nós não quisermos falar disso. É dessa tensão que temos que tirar férias. É essa tensão que nos faz sentir cansados.

Se encontrarmos forma de aliviar a tensão diariamente, talvez as férias não tenham um peso tão elevado no nosso ano laboral. Talvez as férias sejam vistas como férias e não como o único momento do ano em que podemos aproveitar desalmadamente para descansar, levando-nos ao cansaço. Quantas vezes já ouvimos: “Vou tirar férias das férias…”?

 

Sónia Abrantes

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Julho 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Teresa Teixeira

    Marta. Esse seu comentário foi tão ao fundo da rev...

  • Aldina

    "Se é forçoso estar oculto, aspira-se a que nos de...

  • marta

    Os lábios da Sabedoria estão fechados, excepto aos...

  • Samuel

    … "não me coube em herança qualquer Deus, nem pont...

  • Cidália Carvalho

    Brutalmente fantástico!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde