Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

07
Mai13

A Humanidade da violência (Violência – 11)

Publicado por Mil Razões...

 

Não me recordo de um único dia em que a violência não tenha estado presente na minha vida. Eu sei... Escrito assim pode causar algum espanto e até indignação. Contudo estou convicto que não falho na memória. Para mim a violência é algo global, comum, mas também pessoal. Não me refiro ao objeto da violência, mas sim à violência como objeto. O que eu considero como violento poderá não o ser para outro. Sendo assim, o que considero eu, então, violento? Simplesmente algo que me cause dano. Em qualquer dimensão da vida.

 

Posso dizer-vos que tenho preferências quanto à violência. Prefiro a violência psicológica à física, no sentido em que a primeira pode ser experimentada oniricamente ou em fantasia. A segunda já não. Contudo, é por demais aceite que as marcas mais profundas são causadas pela primeira. Mas a categorização da violência não se fica por aqui. Existem ainda a auto e hetero violência, elas próprias que também podem ser psicológicas ou físicas. Também aqui confesso que tenho as minhas preferências. “Apenas” pelo facto de ter o lócus de controlo, ou a ilusão de tal, inclino-me mais para a “autoviolência”. E talvez, pensando bem, até seja esta mesma a que mais afincadamente praticamos.

 

E por falar em prática da violência... Não acham que se um dia fosse possível erradicar a violência do ser humano, não estaríamos a erradicar “o” ser humano? E isso para a nossa espécie não seria uma violência? Atenção que não estou a advogar a perpetuação da violência ou a desadequação do conceito do aprimorar civilizacional. Limito-me a argumentar que a violência é em parte a base do que somos e do que nos constitui. Enquanto povos e enquanto indivíduos. E isso parece-me ser inegável.

 

Voltando à violência na minha vida: remetendo apenas para acontecimentos recentes, digo-vos que não quis ver imagens do atentado de Boston, onde, pelo que me foi relatado, foi possível observar corpos mutilados e membros decepados. E afastando do pensamento o consciente que medeia a realidade da ficção, cuidando apenas da violência pela violência, digo-vos que ontem me deu certo prazer em ver ser decepada a mão do Jaime Lannister no Game of Thrones. É... a violência tem destas coisas.

 

Rui Duarte


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde