Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

23
Abr13

Sentido positivo da violência (Violência – 7)

Publicado por Mil Razões...

 

O termo violência assume muitos sentidos para além dos relacionados com agressividade; pode-se associar a velocidade, dinamismo, acidente, enfim um conjunto de atributos que descrevem o impacto de um ato, tornando-se assim um sincrónimo que é utilizado com recorrência para realçar os resultados de um determinado ato. É, em muitos casos, uma figura de linguagem e de retórica, porque comunica um impacto que apesar de agressivo é igualmente positivo. Assinala-se a aparente (falsa) facilidade de se abordar, por ser um vocábulo comum, conquanto trata-se de um termo sobejamente aplicável em muitos campos de ciências humanas e sociais, pelo que o seu tratamento merece alguma atenção e profundidade de análise.

Entretanto, o seu uso associado a agressividade tem maior notoriedade e preponderância que os outros sentidos colaterais, até porque o seu sentido figurado aleita-se em raízes da área de ciências sociais. Segundo Wikipedia, “violência é um comportamento que causa intencionalmente dano ou intimidação moral a outra pessoa... Tal comportamento pode invadir a autonomia, integridade física ou psicológica e até mesmo a vida de outro. É o uso excessivo da força para além do esperado”. No extrato acima vinca-se a natureza comportamental do termo que carateriza o estágio de início de conflito no âmbito das relações humanas.

Numa outra aceção mais eloquente, fervorosa e prática, Wikipedia estabelece diferença entre violência e força, embora sejam palavras próximas na língua e pensamento corrente. Enquanto força designa, no seu sentido filosófico, a energia ou firmeza de algo, a violência carateriza-se pela ação corrupta, impaciente e baseada na ira, que ao invés de convencer o outro através da persuasão, simplesmente agride-o.

Se olharmos para as relações humanas como um jogo de interesses, com necessidades e desejos em foco, o iminente conflito que pode resultar em violência surge quando a priorização das necessidades humanas não obedece a hierarquia natural, por um lado, e/ou quando a pirâmide simplesmente não existe, contrariando a sequência lógica das necessidades humanas para o estabelecimento do estado de equilíbrio.

A violência é, assim, a expressão da atrocidade, quando as partes envolvidas não conseguem manipular a comunicação através da informação que dispõem para verem satisfeitas as suas necessidades. Esse estado de frustração de necessidades e desejos é tão biológico quanto natural que possui uma forte capacidade de contágio e réplica a outras pessoas. Na época contemporânea e em sociedades mais avançadas em termos de acesso ao conhecimento, que a informação é um recurso quase que limiarmente livre, os conflitos são iminentes, pelo que a gestão de conflitos torna-se uma prática recorrente e uma competência vital para a manutenção de estabilidade. Esse equilíbrio sobressai quando as diferentes gerações encontram uma atmosfera de interacção e nítida separacção de papéis, onde os jovens desempenham um papel preponderante de ligação entre os dois extremos.

Ora, o jovem pela sua mocidade é por natureza sedente e força motriz de uma sociedade. A dinâmica esperada a nível operacional de uma sociedade, no que respeita a constituição da força produtiva e ligação operacional entre as diferentes atividades económicas e sociais, depende sobremaneira do compromisso, motivação e empenho na sua participação, na prossecução dos desafios da sociedade. Porém, nem sempre essa juventude é acompanhada de assertividade suficiente para manipulação favorável das ferramentas que dispõem para a satisfação de suas necessidades imediatas. Algum medo, receio e timidez que os caracteriza, fruto da violência imposta pelos mais experimentados e ortodoxos que repreendem sem pedagogia, e sobre-dosagem de demagogia, pelos erros e falhas cometidas (fraquezas desculpáveis), impedem-os de serem tão ferozes quanto o expetável.

Para fortalecer a capacidade interventida e vantagem comparativa dos jovens, devia-se apostar, dentre outras variáveis, na solidificação dos soft skills, em paralelo ao sistema de educação formal, para torná-los mais audazes e arrojados sem implicar o uso da força física, pressa e ansiedade no alcance dos seus anseios. Para se atingir o estado de equilíbrio evitando-se violência, deve-se evitar entrar em pânico diante de uma situação aparentemente impossível ou de iminente problema, o fenómeno movimento harmónico simples encarregar-se-á de restabelecer o equilíbrio estático.

 

António Sendi (articulista convidado)


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Abril 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Teresa Teixeira

    Marta. Esse seu comentário foi tão ao fundo da rev...

  • Aldina

    "Se é forçoso estar oculto, aspira-se a que nos de...

  • marta

    Os lábios da Sabedoria estão fechados, excepto aos...

  • Samuel

    … "não me coube em herança qualquer Deus, nem pont...

  • Cidália Carvalho

    Brutalmente fantástico!

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde