Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

09
Abr13

Mal entendidos (Violência – 3)

Publicado por Mil Razões...

 

Dizia-me há dias um amigo:

- A coisa que mais me enternece é ver um filho beijar o pai.

- Sim, é bonito mas beijar o pai não é o que há de mais natural? Perguntei admirada.

- Claro que é natural, ainda assim, todo eu me derreto quando vejo um filho, carinhosamente, beijar o pai.

- Com tal sensibilidade, o teu pai deve ter muita sorte contigo?!

- Pois aí é que tu te enganas. Não me lembro de ter vontade de beijá-lo. Como não fui criado com ele até me parece natural esta falta de afetividade.

- Natural, natural não será! Mas não sendo tu criado com ele, viam-se com regularidade?

- Nem por isso, o homem estava emigrado e só quando vinha a Portugal, o que acontecia uma vez por ano, é que nos víamos.

- E nem nessas alturas te apetecia beijá-lo e matar saudades?

- Quais saudades? Eu não estava autorizado a ter saudades.

- Não estavas autorizado a ter saudades? Mas ter saudades precisa de autorização?

- Pois não. Agora que sou adulto vejo com clareza que não, mas na época eu era um miúdo a quem a minha mãe e toda a família faziam a cabeça contra o meu pai.

- Agora baralhaste-me. Então o teu pai estava longe e a tua família ainda to distanciava mais, pondo-te contra ele?

- É isso mesmo, percebes-te bem o que eu quis dizer: punham-me à distância dele.

- E porque o faziam?

- Isso não sei mas passavam o tempo a falar-me mal dele, que nos tinha abandonado, que não queria saber de nós, que não mandava dinheiro para o sustento, e havia até quem dissesse que ele já tinha outra família lá no país para onde tinha emigrado.

- Mas isso era verdade?

- Não sei, nunca lho perguntei. Acho até que nunca ninguém lho perguntou. Quando vinha de férias todos se comportavam com naturalidade, só eu é que não. Não entendia este comportamento dos adultos e revoltava-me vê-los agir como se não tivessem esclarecimentos a pedir. Afastava-me dele, não conseguia esquecer que ele nos tinha abandonado e não lho perdoava.

- E ele percebia o quanto estavas afastado dele?

- Penso que sim porque procurava aproximar-se de mim, mas fazia-o de uma forma tosca que me violentava.

- Queres contar como era?

- Olha, sentava-me no colo e depois de me pôr a cara a arder, o que acontecia porque ele esfregava a barba rija na minha pele ainda tão fina, irritando-me profundamente, perguntava-me se eu gostava mais dele ou do meu avô.

- Ah! Estou a perceber violentava-te sexualmente.

- Não, não estás a perceber. Nunca me senti violentado sexualmente, mas não achas uma violência perguntar a uma criança de quem é que ela gosta mais? Achas que eu tinha coragem para o enfrentar e dizer-lhe que não gostava dele porque ele não se importava comigo e de quem eu gostava era do meu avô? O problema é que a falta de coragem para ser sincera com ele, criava uma situação de injustiça para com o meu avô, de quem eu gostava realmente. Esta simples pergunta era tão violenta como ouvir, durante todo o ano, os desabafos da família contra ele.

- Falam disso agora que és adulto e terás outros argumentos para te fazeres entender?

- Não, ele já morreu. O nosso relacionamento, ou melhor, a falta dele, nunca foi esclarecido.

- Isso é que é violento amigo.

 

Cidália Carvalho


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Calendário

Abril 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde