Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

09
Abr13

Mal entendidos (Violência – 3)

Publicado por Mil Razões...

 

Dizia-me há dias um amigo:

- A coisa que mais me enternece é ver um filho beijar o pai.

- Sim, é bonito mas beijar o pai não é o que há de mais natural? Perguntei admirada.

- Claro que é natural, ainda assim, todo eu me derreto quando vejo um filho, carinhosamente, beijar o pai.

- Com tal sensibilidade, o teu pai deve ter muita sorte contigo?!

- Pois aí é que tu te enganas. Não me lembro de ter vontade de beijá-lo. Como não fui criado com ele até me parece natural esta falta de afetividade.

- Natural, natural não será! Mas não sendo tu criado com ele, viam-se com regularidade?

- Nem por isso, o homem estava emigrado e só quando vinha a Portugal, o que acontecia uma vez por ano, é que nos víamos.

- E nem nessas alturas te apetecia beijá-lo e matar saudades?

- Quais saudades? Eu não estava autorizado a ter saudades.

- Não estavas autorizado a ter saudades? Mas ter saudades precisa de autorização?

- Pois não. Agora que sou adulto vejo com clareza que não, mas na época eu era um miúdo a quem a minha mãe e toda a família faziam a cabeça contra o meu pai.

- Agora baralhaste-me. Então o teu pai estava longe e a tua família ainda to distanciava mais, pondo-te contra ele?

- É isso mesmo, percebes-te bem o que eu quis dizer: punham-me à distância dele.

- E porque o faziam?

- Isso não sei mas passavam o tempo a falar-me mal dele, que nos tinha abandonado, que não queria saber de nós, que não mandava dinheiro para o sustento, e havia até quem dissesse que ele já tinha outra família lá no país para onde tinha emigrado.

- Mas isso era verdade?

- Não sei, nunca lho perguntei. Acho até que nunca ninguém lho perguntou. Quando vinha de férias todos se comportavam com naturalidade, só eu é que não. Não entendia este comportamento dos adultos e revoltava-me vê-los agir como se não tivessem esclarecimentos a pedir. Afastava-me dele, não conseguia esquecer que ele nos tinha abandonado e não lho perdoava.

- E ele percebia o quanto estavas afastado dele?

- Penso que sim porque procurava aproximar-se de mim, mas fazia-o de uma forma tosca que me violentava.

- Queres contar como era?

- Olha, sentava-me no colo e depois de me pôr a cara a arder, o que acontecia porque ele esfregava a barba rija na minha pele ainda tão fina, irritando-me profundamente, perguntava-me se eu gostava mais dele ou do meu avô.

- Ah! Estou a perceber violentava-te sexualmente.

- Não, não estás a perceber. Nunca me senti violentado sexualmente, mas não achas uma violência perguntar a uma criança de quem é que ela gosta mais? Achas que eu tinha coragem para o enfrentar e dizer-lhe que não gostava dele porque ele não se importava comigo e de quem eu gostava era do meu avô? O problema é que a falta de coragem para ser sincera com ele, criava uma situação de injustiça para com o meu avô, de quem eu gostava realmente. Esta simples pergunta era tão violenta como ouvir, durante todo o ano, os desabafos da família contra ele.

- Falam disso agora que és adulto e terás outros argumentos para te fazeres entender?

- Não, ele já morreu. O nosso relacionamento, ou melhor, a falta dele, nunca foi esclarecido.

- Isso é que é violento amigo.

 

Cidália Carvalho


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Calendário

Abril 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

  • Anónimo

    Oh, minha querida. Nunca saberei a dimensão da tua...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde