Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

01
Fev13

Da efemeridade das coisas e da vida (O que fazer? – 10)

Publicado por Mil Razões...

 

O ano de 2013 entrou de rompante aqui por casa!

O vírus da gripe chegou em força e determinado a ficar por muito tempo, o que me obrigou a uma ida não programada ao Centro de Saúde.

Enquanto esperava pela consulta vi entrar na sala, repleta de utentes, uma amiga que não via há algum tempo.

Estava desolada!

A irmã tinha recentemente perdido o marido, vítima de cancro.

“Foi tudo muito rápido!” – disse-me – “Abriram e fecharam… nada mais havia a fazer…” – acrescentou entre soluços descontrolados.

Infelizmente, uma história como tantas outras.

A minha amiga estava particularmente preocupada com a irmã que, não tendo aceite a situação de início, materializou a sua revolta contra os médicos a quem acusou de nada fazer pelo marido.

E enquanto se perdia numa batalha de papéis e formulários, queixas e reclamações, o marido morria-lhe!

Longe dela… distante do seu coração… e só!

O momento em que recebeu o telefonema do hospital pareceu-lhe uma eternidade e foi como se o mundo explodisse e ela sucumbisse com ele.

Abriu-se-lhe uma ferida no peito, tão grande e profunda que ela se perdeu por lá e por lá ficou!

Esta história deixou-me triste e a pensar na nossa impotência perante estas coisas da vida e da morte.

Convencidos de que somos donos da vida, negamos aceitar que nesta vida tudo é efémero.

Não temos uma vida imensa pela frente, como queremos acreditar.

Tudo quanto temos é tempo!

Tempo para viver, viver bem se essa for a nossa opção, mas nem sempre é.

O tempo é um dos bens mais preciosos de que dispomos e é o único que, quando perdido ou esgotado, não conseguimos recuperar.

Às vezes penso no tempo que já vivi e no tempo que ainda tenho para viver e acabo sempre por chegar à mesma conclusão: não quero chegar ao fim com a sensação de que a vida me passou ao lado, simplesmente porque não me dei conta do tempo que passava por mim!

A propósito desta época menos boa que vivemos, alguém me dizia que sendo tudo passageiro nesta vida, por vezes deveríamos parar para recomeçar, determinados a fazer sempre o melhor de forma a nunca termos motivos para arrependimentos.

Estas reflexões trazem-me à lembrança a história que escrevi há uns anos, por ocasião do Natal, para um livro que oferecemos a amigos e familiares.

 

“Bolinhas de sabão

 

A bolinha de sabão perguntou a outra bolinha de sabão:

- Para onde vais? Quero ir contigo!

A outra bolinha de sabão respondeu-lhe:

- Todos me querem seguir… sou o máximo! Vou tentar bater o record de voo das bolas de sabão… vem se quiseres.

Dito isto rebentou.

A bolinha de sabão ficou de boca aberta e, de boca aberta, voou mais alto… até que um pássaro a debicou… rebentou em paz.

Uma outra bolinha de sabão que tinha assistido a tudo, sorriu e exclamou:

- Tudo é efémero! – e rebentou quando o passarinho lhe cagou em cima…”

 

Cristina Vieira (articulista convidada)


1 Comentário

Comentar Artigo

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Fevereiro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Querida Cidália, grata pelo teu tempo e pelas tuas...

  • Cidália Carvalho

    Apenas para me identificar no comentário anterior ...

  • Anónimo

    Mais um belíssimo texto, escrito com a mestria de ...

  • Sandra Pereira E Pinto

    Concordo plenamente com a frase em que diz que tod...

  • Anónimo

    Só quem vive com essas diferenças sabe dar valor e...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde