Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

02
Nov12

A visão (Sonhos – 10)

Publicado por Mil Razões...

 

O sonho parte de uma presunção, ainda que desenquadrada, daquilo que se pretende que seja o futuro. Exige a definição de objetivos, que são o seu suporte, e uma estratégia que indica o meio para se atingir tal estado. Os objetivos devem ser SMART, salientando-se atributos tais como alcançáveis, mensuráveis (quantificáveis), realísticos e estimuladores.

Todo o ser humano tem sonho ou sonhos, esse é o ponto de partida. A dormir ou acordado, de dia ou de noite, com maior ou menor conforto, nesses sonhos visualiza-se a chave dos problemas, preocupações e desafios com que nos debatemos no quotidiano. Para imortalizar os sonhos deve-se, naquele instante, registar tais factos preferencialmente por escrito, para posterior amadurecimento e alinhamento à situação real.

O sonho é mais parecido a desejo do que a necessidade, pois ele encontra-se num patamar acima de uma simples necessidade fisiológica. O sonho espelha, assim, a forma como gostaríamos de concretizar as nossas metas ou maiores desejos.

Será que o sonho se trespassa? Não! Porque ele possui uma elevada dose de energia emocional e de originalidade, portanto, os sonhos de duas ou mais pessoas podem cruzar-se mas dificilmente aleitam-se sobre a mesma direção retilínea ou curvilínea. E diga-se, quanto maior o número de pessoas sonhadoras mais complexa será a harmonização ou idealização de um sonho coletivo.

Como, então, é que sonhos dísteros e até ambíguos podem coexistir sem colidir? Pela necessita de aceitação das diferenças humanas, liberdades de direitos fundamentais e intrínsecos à natureza humana, os sonhos podem enxertar-se sem desperdiçarem a sua raíz. Imbuídos pelo espírito da tolerância, grupos de pessoas podem edificar uma teia de sonhos não conflituantes, mas sim complementares e até suplementares - princípio da concórdia.

O sonho deriva de um contexto hegemónico intra e externo a cada ser, carregando em si diferentes facetas heterogéneas. A nível micro assemelha-se a uma célula, e no sentido macro a um tecido. Podemos assumir determinado sonho mais proeminente que o outro sob o ponto de vista de impacto ou resultado imediato com maior ou menos objetividade, porém um sonho relegado não torna-se necessariamente inválido.

Os sonhos modificam-se com o andar do tempo tal como ocorre com a ortografia, um dos traços da personalidade. Querendo sistematizar uma possível hierarquia de sonhos sequenciados através de um mecanismo de seleção natural similar a um filtro, resultaria no topo - primeiro nível - o sonho potencial, seguido do sonho provável, no terceiro nível o sonho real a antecer o resultado, em último nível, que por sua vez retroalimenta o sonho potencial.

Por fim os sonhos sustentam-se pela esperança, sacríficio e fé. A desistência de determinado sonho é prova inequívoca de que tratava-se, antes, de um objetivo intermédio (meio) e não propriamente um fim desejado.

 

António Sendi (articulista convidado)


Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Novembro 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    estou me sentido muito mal com td isso parece que ...

  • Fernando Couto

    Como se não nos bastassem os pesadelos criados pel...

  • marta

    ...e o pesadelo continua...

  • marta

    Uma pintura para a compaixão que este texto merece...

  • marta

    Um texto verdadeiramente Verdade...obrigada....e e...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde