Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

19
Out12

Sonhos fracassados (Sonhos – 6)

Publicado por Mil Razões...

 

A falha é sempre encarada, na nossa sociedade, como algo a evitar e como uma tragédia. O projeto falhou, o sonho falhou. Que desgraça! O que vai ser da minha vida? Provavelmente vai ser outra coisa qualquer. Ou ainda melhor! Esta tendência de negar o erro, esta obsessão em evitar o erro, em aclamar apenas a excelência, faz-nos sentir a toda a hora uns fracassados! Uns fracassados na vida! Como se não fosse o erro que levasse à excelência! Quem nunca errou, nunca experimentou, nunca viveu! Esse sim, desfez o sonho da vida! Sonhar é essencial, como também é fracassar! Falhar num projeto, numa ideia, numa relação, não faz de nós fracassados. Faz de nós vividos. O erro é essencial à aprendizagem de qualquer matéria, quanto mais à aprendizagem da vida! Arriscar na busca dos nossos sonhos, é sim viver! E nesse risco, está comtemplada a falha. Faz parte! Falhar não faz de nós fracassados. Insistir em não aprender com a falha, aí talvez já nos faça!

Sonhei um sonho e ele não aconteceu. Ou aconteceu ao contrário. Ou seguiu por caminhos que não esperava. E o que aconteceu ao sonho? Inevitavelmente transformou-se noutro sonho. Essa é a função dele. Segui-lo, encontrar novos caminhos, optar por novos caminhos, desafiar novos caminhos, ousar novos caminhos. Essa é a função estruturadora do sonho. O sonho culmina sempre numa realidade. Por vezes, surpreende-nos de uma forma positiva. Outras vezes, desilude-nos. E o que fazemos então, em cada uma das opções? Ficamos por ali?! Pode haver quem! Mas a tendência natural, é seguir como qualquer ciclo, como qualquer etapa. É seguir, sonhando. Sonhando novo, evitando caminhos conhecidos, que a falha nos permitiu conhecer. Sonhar e falhar não se limitam, promovem-se. Cabe a nós perceber onde queremos chegar, quando falhamos e quando sonhamos. Se pretendemos seguir caminho. Ou ficarmos presos ao que foi. Eu acredito que, inevitavelmente, continuaremos a sonhar. Até podem ser sonhos irrealistas. Mesmo que a falha tenha sido dolorosa demais. Porém, no tempo e com o tempo, o sonho insistirá. Irrealistas ou não, serão eles que nos manterão presos à vida e acenderão a chama da esperança.

 

Cecília Pinto

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Outubro 2012

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde