Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil Razões...

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

O quotidiano e a nossa saúde emocional e mental.

Destaque

Amigos do Ziki - Uma ferramenta para o pré-escolar.

17
Nov17

Futuro (Mistérios – 1)

Publicado por Mil Razões...

Flatfoot - Stefan Schweihofer.jpg

Foto: Flatfoot - Stefan Schweihofer

 

Nada sabemos.

Quando pensamos que conseguimos prever tudo, trabalhar para um objetivo, antecipar todas e mais algumas respostas e reações, nada sabemos.

Decidir com ponderação? Sim.

Decidir com a certeza de que é o mais acertado? Não, pelo menos amanhã.

Nada sabemos.

Hoje acordo e penso: vou treinar, conversar, trabalhar, almoçar, ...

Afinal o que acontece é: tive um furo no pneu do carro, treinei em casa, conversei com as paredes, almocei algo que coloquei na liquidificadora só para dizer que comi.

E quando ela acontece? A morte...

Morte de um pensamento, de palavras ditas. Morte de uma relação, de um amor. Morte de um ser, de um sonho...

Nada sabemos.

O que nos move? Isso mesmo, o nada saber e querer desvendar esse mistério permanentemente.

 

Sónia Abrantes

 

15
Nov17

Athos - o meu Amigo Iluminado (Deficiência - 15)

Publicado por Mil Razões...

Knight - FotoRC (1).jpg

Foto: Knight - FotoRC

 

Deficiência é uma palavra pesada, carregada de negativismo que a história da Humanidade foi usando e abusando da forma que lhe deu mais jeito. Não é raro ouvirmos na rua alguém chamar deficiente a outra pessoa da forma mais grotesca e gratuita, quando na verdade, a verdadeira deficiência está em quem não aceita a diferença. Eu não tenho grande conhecimento nessa matéria, o que posso referir é que acredito que as pessoas com limitações são um grande exemplo na forma como se superam a si mesmas. É o caso do meu Amigo Iluminado.

O meu Amigo Iluminado era um jovem de 17 anos, no despontar do seu florescimento para a vida, com todos os sonhos nas mãos, quando umas dores muito intensas no joelho direito o levaram na direção do IPO. Assim sem mais nem porquê, foi-lhe diagnosticado um tumor maligno. Após semanas de quimioterapia que não surtiram efeito, o meu Amigo Iluminado foi confrontado com a terrível realidade de que para viver teria de amputar a perna direita acima do joelho. Já disse que ele tinha 17 anos? Recebeu sozinho a notícia numa consulta de grupo, as lágrimas rolaram-lhe pela face durante muito tempo, mas mesmo assim, chegou à enfermaria e almoçou com as lágrimas a misturarem-se na comida. Quando chegaram os pais para a vista e teve que lhes dar a dura notícia, chorou com a Mãe e ainda a confortou o melhor que pode. Desde a cirurgia, até ao momento em que começou a usar a sua primeira prótese, passaram mais de oito meses. Nunca se queixou, nunca se deixou ir abaixo, sabia que era uma questão de escolha: viver ou morrer. O que eu acho mais espantoso para além de toda a força de vontade que sempre demonstrou durante esse processo, foi a Fé que ele sentia e ainda sente.

 

Conhecemo-nos por esses dias, há cerca de oito anos, numa altura em que as trevas ainda circundavam muito a minha vida, e com o passar dos dias fomos cimentando uma amizade e uma cumplicidade excecional. O meu Amigo Iluminado, mesmo morando numa cidade vizinha, tornou-se presença constante na minha vida e, como eu lhe chamava um verdadeiro Mosqueteiro, partilhámos alguns momentos verdadeiramente cúmplices. Foi (ainda é) de longe, um dos melhores amigos com que a vida me presenteou.

O que é que eu aprendi sobre deficiência durante estes anos com o meu Amigo Iluminado? Muito pouco. Mas sobre superação, sobre Fé, sobre acreditar, sobre seguir em frente, o meu Amigo Iluminado deu-me uma grande lição. Por esta altura, já não tem 17 anos, mas continua a ter todos os sonhos do mundo nas mãos e sabe que só depende de si próprio para que estes se realizem.

 

Ana Bessa Martins

 

13
Nov17

Tudo está no lugar certo (Deficiência - 14)

Publicado por Mil Razões...

Balcony - Hans Dietmann.jpg

Foto: Balcony - Hans Dietmann

 

No outro dia sentei-me num banco de jardim a observar. Observar tudo. As árvores, os carros, as varandas, a roupa a secar nessas varandas. Até observei os cheiros, as texturas, o sabor de tudo. Observar é maravilhoso. Apenas sentir tudo com profunda atenção e com o mínimo de julgamento. Enche o coração de alegria e clarifica o mental. No fundo, é uma meditação. Estar conscientemente concentrado em algo é purificante. É uma das formas mais simples de preencher um vazio da alma, porque quando algo nos falta, seja a nível físico, seja no coração ou na alma, é preciso encontrar aquele lugar que existe em nós, bem lá no fundo, que é onde reside a tranquilidade. É onde se pode perceber de forma quase mágica que tudo acontece por uma razão, que nada é caótico na nossa existência. E esse caminho pode ser encontrado através dos sentidos. Todos eles ou apenas um, nos podem levar a esse estado de apaziguamento. Como? Observando... não com os olhos, mas sim com a Alma. Perceber, aqui, agora, que temos exatamente o que precisamos para evoluir. Nada falta. Tudo está no lugar certo.

 

Sara Almeida

 

10
Nov17

O pior cego é aquele que não quer enxergar (Deficiência – 13)

Publicado por Mil Razões...

Blind - George Hodan.jpg

Foto: Blind - George Hodan

 

Deficiente é aquele ser incompleto, falho, a quem falta algo. Assim está no dicionário. Mas há que se pensar se nós, seres humanos, não somos por essência seres incompletos?

Na nossa sociedade é fácil reconhecer um deficiente por alguma característica física. Aquele que não pode se mover sem auxílio de uma cadeira de rodas, outro que segue seu caminho a tatear as ruas com um instrumento por não possuir o dom da visão. Algumas deficiências são explícitas, não há como se camuflar. Quem as possui tem que encarar as dificuldades impostas pela limitação física, além dos olhares de piedade das pessoas que andam pelas ruas, todos os dias.

No entanto, cada vez mais podemos observar histórias de pessoas incríveis que não aceitaram as limitações impostas pela sua condição física e vivem a vida da forma mais intensa possível. Desafiam os limites impostos pela medicina e pela sociedade e vivem suas vidas de forma intensa e inspiradora.

 

Por outro lado, há tantos outros deficientes que circulam na rua, mas não carregam no corpo de forma evidente a sua deficiência.

A falta de amor ao próximo é uma deficiência. A ignorância é uma deficiência. O preconceito é uma deficiência. A falta de humildade é uma deficiência. A falta de caráter é uma deficiência. A soberba é uma deficiência. Deficiências que não podemos notar só de olhar para a cara de um sujeito que, na verdade, pode parecer um ser impecável. Pode até ter um bom corpo vestido num bom fato. Mas tem a sua alma deficiente, deformada, degenerada. Como já dizia o ditado popular: “O pior cego é aquele que não quer enxergar”.

 

Leticia Silva

 

06
Nov17

Só é cego quem não quer ver! (Deficiência - 12)

Publicado por Mil Razões...

Sunrise - Martyn Cook.jpg

Foto: Sunrise - Martyn Cook

 

Estava um dia cinzento e chuvoso de outono. Sentei-me na esplanada coberta a apreciar o mar agitado.

“- O mar hoje está bonito! Várias tonalidades cinzentas e uma espuma alva borbulhante… Gosto do mar assim, revolto!” Diz-me com um sorriso entusiasmado.

Reparo que a voz vem do homem elegante sentado na mesa vizinha. Ao seu lado aninhado no chão, um cão-guia observa languidamente o tempo que passa.

Perante a minha reação estupefacta, ri-se: “- Ah ah ah! Deve achar estranho um cego como eu, estar a falar-lhe das cores do mar!”

“- Desculpe, não tinha reparado que é invisual. E surpreendeu-me o seu comentário quando o percebi.”

Continuámos a conversar até anoitecer e aprendi que não se É deficiente, ESTÁ-SE deficiente. Relatou que de certo modo todos somos deficientes em alguma função ou caraterística, quer do nosso corpo, quer da nossa vida nos seus variados contextos. Partilhou a sua opinião comigo, que a sociedade tem necessidade de catalogar as deficiências mais óbvias para as poder colmatar de alguma forma, integrando os cidadãos com essas deficiências.

 

Percebi que toda a pessoa é muito mais do que a sua deficiência ou limitação. Quando há uma limitação física, psicológica ou social, a pessoa tenta superar-se, exceder-se nas competências de que dispõe, como forma de mostrar a si e aos outros que também é capaz, que também está ativamente integrado na sociedade. Quando um dos órgãos dos sentidos está em falta, todos os outros se tornam mais apurados e desenvolvidos.

Tal como a vida é efémera, o estar saudável e ser considerado normal sem deficiências é efémero. Talvez se cada cidadão tivesse a consciência de que a sua “normalidade” não passa de um estado efémero, se tornasse mais disponível para compreender e tolerar as diferenças. Por doença, acidente, ou infortúnio, qualquer um de nós está vulnerável a uma alteração e perda das suas capacidades, da sua vida rotineira, normalizada. Como este meu novo amigo, companheiro de contemplação do mar e das suas tonalidades, num acidente de viação que lhe retirou a visão, mas o tornou ainda melhor observador do mundo à sua volta e mais além. Só é cego quem não quer ver!

 

Tayhta Visinho

 

03
Nov17

Obrigado… (Deficiência – 11)

Publicado por Mil Razões...

Business-man - Vigan Hajdari.jpg

Foto: Business-man - Vigan Hajdari

 

Incontáveis vezes escrevi sobre deficiência. Aliás, de uma forma ou outra, todos os dias úteis o faço. Trabalho na APPACDM do Porto, instituição que, desde 1969, presta serviços a pessoas com deficiência intelectual e multideficiência. Faço-o há quase 17 anos e já vi e passei por tudo um pouco. Curiosamente, numa área em que aparentemente pouco muda e nada se “cura”, já muito se alterou no tempo em que cá estou. Começando pelos nomes que se dão às pessoas (débeis mentais, oligofrénicos, atrasados mentais, deficientes mentais, pessoas portadoras de deficiência mental, etc.), passando pelo modelo de intervenção nas idades escolares, acabando na própria visão da sociedade face à existência da diferença e da diversidade humana.

Posso dizer que cedo repudiei etiquetas e categorizações ou avaliações desnecessárias (daquelas que só servem para o técnico que as executa sentir que está a colmatar inseguranças profissionais). Posso dizer que cedo percebi que o melhor deste trabalho (e até vocação) é as pessoas. Os débeis, os idiotas, os atrasados. Enfim, os mais genuínos na sua natureza emocional e comportamental. Sim, claro, todas as pessoas têm filtros e gerem a sua relação com o mundo e com os outros segundo uma ótica individual. Contudo, na relação com as pessoas com quem trabalho, encontrei relações de franqueza, simplicidade e amizade desinteressada. Claro que elas também manipulam. Claro que também mentem, mas mesmo assim as suas mentiras são maioritariamente “puras”, ou pouco relevantes no grande contexto das coisas.

 

Embora não seja minha função “ensinar”, eu sei que muitos aprenderam comigo. E reconheço que muito aprendi com estas pessoas. Humildemente reconheço que o que sou hoje, as minhas atitudes e os meus valores, muito se regem pelas infindáveis horas em que passei, partilhei e pensei com e para eles.

Não se dá o devido valor à palavra incapacidade. Continua a confundir-se (e muito) com deficiência. Continuamos a não perceber como somos mais parecidos do que diferentes. Com o desaparecimento de algumas pessoas vi-me forçado a confrontar a minha incapacidade em aceitar “adequadamente” a morte. Com os problemas graves de comunicação de algumas pessoas vi-me forçado a trabalhar a minha incapacidade em escutar os outros com a devida atenção. Da confrontação com as condições de saúde de algumas pessoas e a sua reduzida esperança de vida, percebi a incapacidade que tinha em reconhecer o extraordinário valor que a própria vida tem.

 

Desculpem o texto algo lamechas, mas a verdade é que a minha experiência de vida (dure o que durar), para sempre e profundamente marcada ficou pelas pessoas com quem tenho a sorte de estar durante a semana. E por aquelas que, já cá não estando, esquecidas nunca serão. Obrigado a todos vós por me fazerem mais capaz.

 

Rui Duarte

 

30
Out17

Coitados! (Deficiência – 10)

Publicado por Mil Razões...

Pierre - Salviad.jpg

Foto: Pierre - Salviad

 

Há deficiências e deficiências.

Há as físicas. E as mentais. São um triste presente da genética ou do ato do nascimento. Os “premiados” não escolheram, nem tão pouco podem devolver ou guardar num armário esta oferta indesejada.

 

Mas depois há um certo tipo de deficiência… que é do tipo intelectual. É aquela deficiência que se percebe quando se identificam certos comportamentos, ou quando se desenvolve um diálogo. É uma tacanhez, daquelas que limitam a visão; um egoísmo que inibe o desenvolvimento de valores nobres, uma arrogância que esbate qualquer outra qualidade que a pessoa pudesse ostentar.

Tenho pena, mesmo muita pena (talvez não seja pena…) destes deficientes. Porque estes, ao contrário dos primeiros, não têm consciência da deficiência da qual são portadores. E por isso não podem, jamais, tentar superar-se, melhorar, mitigar essa deficiência. Vistas curtas.

 

Sandrapep

 

27
Out17

Heróis ou coitadinhos? Não! Só Humanos (Deficiência – 9)

Publicado por Mil Razões...

Wheelchair - LonelyTaws.jpg

Foto: Wheelchair - LonelyTaws

 

Cruzei-me com o Armando, o José Pedro, o Justino e o Rui por motivos profissionais. Conheci-os na altura em que estava a escrever uma reportagem especial sobre o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência (3 de dezembro). Até então, não tinha tido contacto com pessoas portadoras de algum tipo de deficiência.

 

E perguntar-se-ão vocês quem eles são. São pessoas com caraterísticas como cada ser humano. O Armando era, na altura, deputado na Assembleia Municipal da terra onde vivia; ficou surdo com 13 anos. O José Pedro, um jovem de 24 anos, é amistoso e bem-disposto, com um espírito positivo contagiante e uma vontade de aprender que não lhe cabia no peito; tem paralisia cerebral. O Justino é voluntário e depois de uma fase menos boa deu uma oportunidade a si próprio e aprendeu a lidar com a cegueira que apareceu aos 28 anos. O Rui é escritor, psicólogo e ativista na área da deficiência; está numa cadeira de rodas.

Partilharam comigo as suas histórias. Enquanto os ouvia, ou quando li os seus testemunhos, vi neles o meu próprio reflexo. Vi neles um ser humano, com objetivos de vida, com sonhos, com medos, com esperanças, com utopias, com dúvidas, com incertezas… tal como cada um de nós. Não vi seres especiais, não vi heróis, não vi coitadinhos, não vi diferenças. Vi alguém com vontade de viver e não apenas de sobreviver, sendo aquilo que é sem direito a julgamentos ou discriminações. Como o Rui afirmou: “Não somos nada sozinhos. O que somos, somos porque temos alguém à nossa volta. E ninguém merece ser dispensado de ser quem é”.

Mas nem todos parecemos olhar para estes seres humanos como iguais. E é por isso que precisamos de um dia especial: para lembrarmos e demonstrarmos que somos todos iguais. Tal como o Armando disse: “A sociedade tem um dia para as pessoas com deficiência, mas esquece-se delas no resto dos 364 dias”. Valerá sempre a pena informar, sensibilizar e fazer perceber que ser diferente é bom. Porque a diferença não é o problema. É o poder que cada um de nós tem para compreendermos os outros e, simultaneamente, compreendermo-nos a nós próprios. Afinal, todos somos diferentes. Importante é sabermos viver com as nossas diferenças porque no fim do dia todos temos algo em comum: somos seres humanos. “Todas as pessoas têm deficiências. Aquilo que separa a normalidade da anormalidade é mais fino que uma folha de papel”, declarou o Armando.

 

Deixo aqui um excerto do texto que o Rui escreveu naquela altura para o jornal. Porque melhor do que falar sobre eles, só mesmo ouvi-los, ou lê-los, na primeira pessoa:

“É urgente que nos pare de tratar como heróis ou coitadinhos. Estas duas vidas que nos atribuem são de mentira, não prestam e não as queremos. Compreenda que por trabalharmos, rirmos, praticarmos desporto, namorarmos (etc.) não faz de nós heróis. Ressalvo que são poucos os que conseguem fazer tudo isso, mas asseguro-lhe, não são heróis. E muito menos a maioria que não tem essa oportunidade é composta por coitadinhos. São humanos, tanto os que considera heróis, como os que considera coitadinhos. Humanos. Como você, que coitadinho precisa criar heróis para provar que há vidas piores do que a sua. Não estamos dispostos a isso.”.

 

Sandra Sousa

 

23
Out17

Sei de Anjos (Deficiência – 8)

Publicado por Mil Razões...

Parents and children - Kisss.jpg

Foto: Parents and children - Kisss

 

(Sei de Anjos que, apesar de condenados a viver na Terra, nunca perdem as asas nem a inocência)

 

Deficiência: não há modo “soft” de colocar a coisa - a palavra grita-nos, sibilante, o seu significado perfeitamente lato e negativista. E ninguém se furta à sibilina carga de preconceito que ela acarreta, sobretudo pelo medo que todos temos que um filho, um descendente, alguma criança, enfim, do nosso círculo mais estreito de afetos, nos nasça com um qualquer grau de imperfeição ou deformação física ou mental. Ninguém. Todos os pais, todos os parentes de futuros pais, mais ou menos serenamente, contornam esse receio, nem que seja pelo lado mais doce, confiante e otimista: “Menino ou menina?” – “O que se quer é que venha perfeitinho...”

E saudável. E que a mãe tenha uma hora pequenina. O resto não importa. Que venha perfeitinho, é o que todos queremos.

 

“E o que é a perfeição?”

Perfeição, no seu sentido imperfeitamente real e positivista, é ter as proporções consideradas normais e todos os órgãos no seu devido lugar e a exercer com precisão as funções físicas e mentais para que Deus as concebeu, quando nos programou.

Perfeição, no seu sentido mais transcendente, é nascer com a capacidade de se exceder. De ir além. De ver mais longe, mais fundo. De amar melhor. De superar barreiras. De vencer guerras e preconceitos. De ser forte. De sobreviver. De ser feliz.

Ser perfeito é dar-se por inteiro, em inocência e candura, à paixão por quem lhe aceita a imperfeição. Ser perfeito é ter nos olhos um amor desmedido e toda a confiança do mundo em quem lhe ampara a deficiência.

Ser perfeito é receber nos braços a Dor, e transformá-la em Amor. Ser perfeito é ter a ventura de descobrir o quanto é forte, o quanto é poderoso, o quanto é superior a todos os preconceitos do mundo.

 

Não é a todos, que é dada a oportunidade de descobrir o tesouro de Fé e de Força, escondido em si desde que nasceu - e o Amor, todos sabemos, não reconhece imperfeições nem deficiências físicas. Basta que conheçamos uma mãe “perfeita” ou um pai “perfeito” de um filho “imperfeito”. Basta que perguntemos. Basta que observemos: Há uma bênção maior, que os nossos olhos não reconhecem, mas que o nosso coração sente: não existe “deficiência”, para quem ama, existe apenas “diferença”. Não existem seres incapazes, existem seres especiais. Excecionais. E infinitamente capazes de amar além de todos os conceitos humanamente reconhecidos.

 

Teresa Teixeira

 

20
Out17

Liga dos extraordinários (Deficiência – 7)

Publicado por Mil Razões...

Human-rights - Darwin Laganzon.jpg

Foto: Human-rights - Darwin Laganzon

 

A Declaração Universal dos Direitos Humanos prevê a igualdade de direitos para toda e qualquer pessoa, independentemente da sua condição ou proveniência. Cada linha dos seus artigos nasceu do comprometimento de vários Estados membros em cooperação com a Organização das Nações Unidas, proclamando o respeito universal e efetivo dos direitos do Homem e das suas liberdades fundamentais, sejam estas económicas, políticas ou sociais.  

 

A minha amiga Susana, mulher extraordinária, teria muito a dizer sobre esta coisa poética da igualdade de acesso e de direitos das pessoas ditas portadoras de deficiência. Nas algumas décadas que já viveu, sofreu na pele a injustiça de uma sociedade patologicamente afetada, impregnada de preconceito, incapaz de ver para lá da sua própria perceção dos outros e das coisas. Se ela gostaria de poder fazer tudo que o comum mortal faz, sem depender de ninguém e ser, simplesmente, quem nasceu para ser? Não tenho dúvidas que sim, tão pouco a tremenda lucidez da Susana me permitiria dizer o contrário. Ninguém, para além dela e dos que partilham desafios semelhantes, sabe o que é viver segregado, aparentemente incluído mas permanentemente em luta, pelo simples direito a existir com toda a dignidade que merece e com toda a coragem que lhe corre nas veias – podia narrar, horas a fio, as muitas coisas fantásticas que ela já fez e que muitos de nós, sem qualquer (aparente) limitação, jamais fariam. Podia descrever, sem ter de florear nem um bocadinho, a força com que se bate todos os dias da sua vida por coisas que tomamos como garantidas e que não valorizamos sequer.

Pode até parecer que é à sua aparente condição física a que me remeto mas, na realidade, não pretendo sequer perder-me nesses pormenores. Quanto mais a conheci, mais me distanciei do que a tornava diferente e mais nitidamente entendi o conceito da verdadeira deficiência. Claramente, não era aquilo que a colocava numa cadeira de rodas mas sim o que lhe era oferecido, numa base regular, pelos que deviam protegê-la. A verdadeira deficiência estava nos que “se envergonhavam” de ir com ela à rua (e lho diziam, com estas mesmas palavras), dos que lhe lembravam todas as coisas que ela não podia fazer, dos que, partilhando o seu sangue, a rotulavam com uma designação que, afinal, nunca lhe pertenceu. Como deve ter doído, mais do que qualquer limitação física (sobretudo, aos olhos dos outros), a maldade dos “seus”, tão cristã (leia-se: levada a cabo por atos, palavras e omissões). Como pode um Ser feito de amor ser um alvo tão fácil?

Todavia, nesta verdade dolorosa, feita de muitos momentos de revolta, não sintam pena da Susana. No seu anonimato, ironicamente, e apesar dos muitos desafios que ainda enfrenta, já viveu mais do que muitos de nós viveram ou viverão. Ser feliz não é a ausência de obstáculos, de problemas, de grandes montanhas a transpor, mas uma escolha, obstinada e diária de, apesar de tudo isso, fazer o melhor de cada dia. É assim que a Susana vive a vida. Há pelo menos quinze anos, testemunhei a audácia desta corajosa mulher que saiu da casa materna solteira e voltou casada, contra tudo e contra todos; e é, desde então, amada, por um marido com um M enorme, por tudo aquilo que ela realmente é: linda, inteligente, criativa, ousada, partilhando, sempre, um sorriso belíssimo com quem tem o privilégio de a conhecer. Levante a mão quem conheceu o amor da sua vida, quem abraça um ser que ama e que lhe devolve amor, todos os dias, durante pelo menos década e meia. Incondicionalmente. Não tenham pena de quem nos lembra os nossos medos, as nossas limitações. Tenham esperança. Desejem, no mínimo, o mesmo.

 

Quero acreditar que caminhamos para um dia de verdadeira equidade, para uma sociedade que inclua todos os seus cidadãos, com dignidade, com respeito, valorizando o que cada ser humano tem de extraordinário. Vejo nas pequenas coisas grandes vitórias e, parte de mim, rejubila. A outra parte, lembra a “minha” Susana, as outras e outros tantos seres como ela, e o seu (ainda demasiado intenso) sofrimento pela inacessibilidade criada, sobretudo, pelas mentes pequenas com demasiado poder. Pelas vozes que os calam, gritando palavras como “verdade, justiça, progresso, inclusão, igualdade”, desprovidas de qualquer significado. Vozes que silenciam os únicos com legitimidade para falar, os que sentem na pele as tais “mudanças miraculosas apregoadas e que colocam todo o cidadão a viver uma vidinha sã e feliz” e que gritariam, sim, a angústia da ignorância alheia, a falta de meios, de condições, de corações preparados e de mãos dadas com a ciência, a acutilância de quem se acha imune ao sofrimento. “Está tudo uma maravilha, está cada vez melhor”, dizem. Outros que não quem de direito, note-se.

Reitero: quero acreditar que caminhamos num sentido mais positivo e humano mas sei que, enquanto andamos para trás e para a frente, regidos por leis bacocas e inviáveis, muitos sofrem. Enquanto me sento para redigir estas linhas, perde-se o potencial humano de tanta gente extraordinária neste planeta. Perde a sociedade que não percebe a singularidade da Susana, e de todos aqueles que considera diferentes, matando o seu potencial. Enquanto se luta por pôr em prática as verdadeiras leis da Equidade, talvez valha a pena investir na intervenção junto dos ditos normais para quem a normatividade é, afinal, uma muleta frágil e sustentada por uma visão limitada e desadaptativa, baseada no medo e na ignorância. São esses os verdadeiros deficientes: os cruéis, os preconceituosos, os críticos de tudo e de todos, os patologicamente insanos, aqueles para quem a Declaração Universal dos Direitos Humanos é apenas uma chalaça de folhetim. É esta a verdadeira deficiência da sociedade. É aqui que tudo começa. É aqui, e em cada um de nós, que deve terminar.

Desculpa, querida Susana, por viveres num mundo que ainda não te merece e que, mesmo assim, tornas tão mais belo pela tua simples existência. Espero, um dia, sermos dignos de gente tão especial quanto tu.

 

Alexandra Vaz

 

Porto | PORTUGAL

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Calendário

Novembro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    A realidade de tantos e tantos...

  • Teresa Teixeira

    Obrigada. É só o que me apetece dizer, agora. E nã...

  • Cidália Carvalho

    Rui Duarte, não peça desculpas por entender que o ...

  • Anónimo

    Exatamente! E esse respeito passa também por serem...

  • Anónimo

    Obrigado pela sua resposta ao meu comentário Teres...

Links

Amigos do Mil Razões...

Apoio emocional

Promoção da saúde